Outros Sertões

Safira e Bento

MEMÓRIA TEM CHEIRO

Priscila Godinho Martins dos Santos *

Cheiro daquele lugarzinho, cujo nome é de um santo, o santo casamenteiro: Santo Antônio, povoado de Campo Formoso. A princípio sente-se o cheiro da areia que pairava sobre a porta da humilde casa. O solo do povoado era arenoso. Ao adentrar a casa, sentimos o cheiro das velas acesas no primeiro quarto, nele avistamos duas camas de solteiro, uma era especial, a favorita da “netaiada”. Era uma cama com molas, cujo colchão foi confeccionado pela proprietária da casa, que o encheu de lã do fruto da barriguda, na minha cabeça tratava-se das mesmas galhas com que fazia as vassouras para varrer o terreiro. …Visualizar o restante

Rivalidade

Um dos mais longevos clássicos do futebol do interior nordestino é disputado há quase 70 anos em Rodelas, na região norte da Bahia, a 550 km de Salvador. No dia 7 de setembro, e apenas naquele dia, os times do Verde e do Amarelo entram em campo para alimentar uma rivalidade iniciada em meados dos anos 50. E a cidade se divide entre torcedores das duas cores. Ou torce pelo Verde ou pelo Amarelo. Não existe meio-termo – a não ser que se tenha chegado muito recentemente e ainda não tenha tido tempo para posicionar-se. …Visualizar o restante

Sempre vivas

Entre os diamantes que encontrei durante o meu período garimpando na Chapada, Seu Moreno foi um dos de maior quilate. Primeiro como paciente e depois como amigo, fomos desdobrando o nosso tempo em conversas e passeios no paraíso de Tapiacanga, em Mucugê, regado a delicioso café colhido ali mesmo no quintal e pilado pelos braços ainda fortes daquele com quem me dei a conversas que ficaram na batéia do meu coração até hoje.

Filho de família tão típica do lugar, viveu do que pode: café, garimpo, coleta de sempre vivas, arroz… E é nesse trânsito familiar e pessoal que ele nos conta a história da região diamantina com as suas riquezas e dificuldades.

Da lembrança da sua casa ainda me vem o cheiro dos biscoitinhos de polvilho feitos pela neta e servidos com tanta generosidade e asseio que me sentia ali visita importante.

 

Destino traçado

O fatalismo, crença que considera que todos os acontecimentos produzidos de forma irrevogável, está presente na filosofia greco-romana, na cultura latina e na doutrina cristã da Divina Providência. Em todas elas, acredita-se que todos os acontecimentos ocorrem de acordo com o destino fixo e inexorável, traçado por um poder sobrenatural e não controlado pela vontade humana. …Visualizar o restante