Tag: Sergipe

Loucura genial

Japaratuba, ao contrário vizinha Rosário do Catete e muitas outras no caminho para Alagoas ou no sertão sergipano, não tem a estátua do padroeiro na entrada da cidade. Em vez disso, o município construiu em 2002, um monumento em homenagem a um louco genial: Arthur Bispo do Rosário.

…Ler mais.

Mais semiárido e menos cisternas

A Articulação do Semiárido Brasileiro (ASA) foi criada no início dos anos 1990 e integra o comitê coordenador da Rede de Tecnologias Sociais. Mais de mil entidades de diversos segmentos – igrejas católicas e evangélicas, ONGs, ambientalistas, associações de trabalhadores rurais, associações comunitárias, sindicatos e federações – fazem parte da ASA, cujos principais projetos estão relacionados com a convivência com o semiárido, principalmente a construção de cisternas para estoque de água para consumo humano e produção de alimentos. …Ler mais.

Renda irlandesa

“Não vejo seu rosto! Vejo somente as mãos! E isso me basta! ” – Aglaé D´Ávila Fontes de Alencar

A artesã Edinalva Batista dos Santos, a Nalva, 55 anos, aprendeu a fazer renda – ponto de cruz e rendendê – aos 12 anos, depois que a família deixou Muribeca, cidade natal no agreste sergipano, e foi morar no sertão de Aquidabã, a 21 km de distância. …Ler mais.

Arredores

A visita ao município de Cedro de São João, no início deste ano, serviu também para desbravar um pouco do sertão sergipano, onde começava a ser gestado o programa Meus Sertões Universidade. Os cerca de 50 quilômetros de distância entre o Cedro e Itabi foram percorridos com dois objetivos: revelar para uma de minhas filhas que mora no exterior um pouco da beleza e das histórias do sertão e me preparar para orientar a jovem jornalista Camila Gabrielle, autora do documentário “O sertão entre a flor e os espinhos” e de matérias, entrevistas, fotos e vídeos sobre a pequena cidade onde a mãe dela nasceu.

…Ler mais.

Maranhão é incluído no semiárido

O semiárido brasileiro tem nova configuração desde 23 de novembro de 2017. A avaliação levou em conta critérios como o percentual diário de déficit hídrico, índices pluviométricos e aridez. O grupo de técnicos ressalvou que faltam estações adequadas para fazer as medições precisas destes índices e, por isso, seria melhor incluir as cidades que sofrem com a seca, mesmo sem a existência precisa de dados. Também dispensou a obrigatoriedade da presença do bioma caatinga para definir os noves limites da região. A medida foi aprovada pelo conselho deliberativo da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene).

…Ler mais.

Um pedaço do sertão no Rio

Há duas versões sobre o surgimento da Feira dos Nordestinos, oficialmente chamada de Centro Municipal Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas, que hoje é frequentada por cerca de 300 mil pessoas/mês, segundo seus organizadores.  Uma delas diz que a ela surgiu no dia 2 de setembro de 1945, quando o poeta paraibano e ex-combatente Raimundo Luiz do Nascimento, o Raimundo Santa Helena, leu o folheto “Fim da Guerra” para um grupo de soldados e nordestinos que aguardavam condução, em São Cristóvão, no Rio de Janeiro. …Ler mais.