Romaria fortalece a luta em favor das causas populares

Paulo Oliveira e Thomas Bauer/CPT-BA/H3000 (*) –

A 45ª Romaria da Terra e das Águas reúne os povos impactados pelos grandes empreendimentos no oeste baiano.

Após dois anos sem ser realizada de forma presencial, a Romaria da Terra e das Águas, em sua 45ª edição, reuniu cerca de 5.000 pessoas, no Santuário de Bom Jesus da Lapa, no oeste da Bahia. O evento, realizado entre os dias 1º e 3 de julho, foi marcado pelo reencontro de representantes de povos originários e tradicionais impactados pela grilagem e por grandes empreendimentos do agro e hidronegócios, mineração, barragens e parques eólicos, responsáveis pela devastação da natureza, poluição e grilagem.

Plenarinho debate os compromissos das crianças com a natureza. Foto: Thomas Bauer

Essas e outras questões foram discutidas em cinco plenarinhos – Terra e Território, Fé e Política, Rio São Francisco e outras bacias, Juventudes e Crianças -, no qual representantes de cada grupo e de movimentos sociais assumiram compromissos para fortalecimento das lutas populares contra o atual cenário de destruição e omissão fiscalizatória, incentivado pelo governo federal e que conta com a cumplicidade do governo estadual. As medidas estabelecidas constam da (na) Carta da Lapa, divulgada no domingo.

O documento celebra a vida e a luta contra o projeto de morte e profunda exploração contra os marginalizados da terra. Ela menciona as vítimas “da política fascista e neoliberal em curso” e reflete sobre a crise histórica que acompanha o projeto de acumulação de capital, a partir da violência e de destruição da natureza.

A Carta aponta que não há outra alternativa para enfrentar um governo que legitima e aprofunda o genocídio do nosso povo, biomas e territórios, a não ser a organização popular para a transformação integral do atual cenário. Por fim, elenca os compromissos assumidos durante os plenarinhos da romaria.

COMPROMISSOS
Homenagens aos mártires da luta em favor da floresta amazônica. Foto: Thomas Bauer

Na manhã do segundo dia, a missa foi celebrada pelo bispo João Santos Cardoso, de Bom Jesus da Lapa. O religioso condenou a destruição do meio ambiente e a violência contra quem defende a natureza. Durante a cerimônia, houve homenagem ao jornalista inglês Dom Phillips, ao indigenista Bruno Araújo, assassinados no Vale do Javari, no Amazonas; e ao trabalhador rural Wesley Flávio da Silva, executado no assentamento Nova Esperança, em Rondônia. Dom João Cardoso também ressaltou a necessidade de mudança de comportamento, diante da voracidade da busca pelo lucro, a partir da destruição de recursos naturais.

Em seguida foram realizados os plenarinhos. O de Terra e Territórios reuniu grupos sociais e movimentos populares em favor dos indígenas, quilombolas, assentados, geraizeiros, posseiros, camponeses, pescadores e ribeirinhos. O debate girou em torno dos conflitos e ameaças vividos nos territórios, incluindo grilagem, desmatamento, poluição e devastação da natureza. Os principais agentes são o agro e o hidronegócio, mineradoras, barragens e parques eólicos.

Carlos e Alcione, pais de Máicon, morto por falta de atendimento médico. Foto: Paulo Oliveira

Os participantes lembraram a morte do comunicador Maicon Pataxó, que usava as redes sociais para defender a preservação dos territórios indígenas. O jovem indígena morreu após negligência do sistema de saúde.

“O seu arco e flecha era a câmera e a internet” – afirmou Carlos Pataxó, pai de Máicon.

Os compromissos assumidos são a luta para ampliação de experiências agroecológicas, a unificação das lutas, o fortalecimento das redes e das articulações solidárias, a promoção da autodemarcação e de cartografias sociais.

A plenária Fé e Política teve como tema “Por Igrejas em Saída na Defesa da Vida”, movimento defendido pelo Papa Francisco em favor da Igreja Libertadora da América Latina, que enfrenta restrições da ala dogmática do catolicismo. O debate mostrou a insatisfação popular com os governos federal e estadual e com a atuação de religiosos que se afastaram das lutas em favor dos oprimidos.

O encontro começou com a parte mística e homenagem à Irmã Miriam Inês Bersch, gaúcha com atuação em favor de quilombolas em Rio das Rãs, em Santa Maria da Vitória, e do povo guatemalteco.

O principal palestrante foi o professor de teologia cearense Rafael Gomes da Silva. Ele fez uma reflexão do papel da Igreja de Saída no atual cenário. Citou a última visita do papa ao Brasil, na qual ele disse que era preciso colocar água no feijão, revelando colaboração e comunhão com os caminheiros.

Os principais compromissos assumidos pelos participantes são:

  1. Assumir a igreja povo de Deus a partir das comunidades eclesiais de base, objetivando a transformação social e atendendo ao apelo do Papa Francisco de “ser igreja dos pobres e para os pobres.
  2. Resgatar a dimensão profética na denúncia de tudo que destrói a vida.
  3. Promover a mobilização permanente dos empobrecidos pelo capitalismo.
  4. Acolher às diversidades no combate ao racismo e patriarcado.
  5. Promover o bem-viver e a prática de ecologia integral.

Cento e quarenta pessoas participaram do plenarinho São Francisco e outras bacias. A patrona do encontro foi a ribeirinha Maria do Rosário. Expulsa de Sobradinho, ela passou a atuar nas vazantes de Bom Jesus da Lapa. Na sequência foi apresentada a Carta ao Povo da Bacia do São Francisco e anunciada uma ação de mobilização dos ribeirinhos pelos direitos dos rios, das águas e da vida

O plenarinho das Juventudes foi aberto com um momento de espiritualidade e mística. O psicólogo Eric Gamaiel e a pedagoga Maicelma Maia fizeram reflexões sobre os efeitos da pandemia sobre os jovens. Os participantes foram divididos em grupos temáticos, incluindo saúde mental, mídia e comunicação, meio ambiente e educação.

Os compromissos são o engajamento no processo eleitoral para o Brasil voltar às mãos dos brasileiros, fortalecer os núcleos e grupos de jovens e desenvolver iniciativas para ampliar a ação social e solidária junto aos movimentos e pastorais sociais.

O tema das Crianças foi o direito de ser amada e cuidar da natureza. Quando questionadas sobre o que deve ser feito para preservar a nossa casa comum, elas estabeleceram como compromisso não poluir os rios, não cortar árvores nem queimar as florestas, não jogar lixo na rua e incentivar o plantio de legumes, verduras e frutas.

MISSAS E OUTROS EVENTOS
Dom Luiz Cappio conclama o povo a retomar o Brasil para os brasileiros. Foto: Thomas Bauer.

A homilia do bispo de Barra, Dom Luiz Cappio, na missa de abertura foi marcada por dois agradecimentos e um pedido. Ele deu graças ao Bom Jesus da Lapa por todos os presentes terem sobrevivido ao período mais letal da epidemia de Covid-19 e por estarem no santuário. E fez um pedido contundente:

“Bom Jesus nos ajude, nos ajude, a devolver o Brasil ao povo brasileiro. Infelizmente pela política governamental vigente, o Brasil está sendo entregue a cada dia às grandes potências econômicas, aos grandes conglomerados econômicos. (…) O povo brasileiro nunca foi tão pobre” – disse.

O bispo também fez uma defesa veemente da Amazônia, exortando os participantes a se posicionarem contra os desmatamentos e outros atos ilegais:

“Quando destruímos a Floresta Amazônica, estamos fazendo igual o coronavírus, estamos destruindo o pulmão do mundo. E sem o pulmão, nós morremos.” – declarou.

Ao final da celebração, houve a apresentação de “Pureza”, filme que relata a história real de uma mãe solo maranhense, cujo filho foi cooptado para trabalhar em um garimpo e desapareceu. Em sua luta para encontrá-lo, a mulher se emprega em uma fazenda e testemunha trabalhadores vivendo em regime análogo à escravidão. Ela enfrenta o sistema perverso e continua sua busca.

Cimi celebrou os 50 de apoio e luta em favor das causas indígenas. Foto: Thomas Bauer

A primeira participação organizada dos indígenas foi um dos pontos altos da romaria. Segundo o coordenador regional do Conselho Indigenista Missionário (CIMI), Haroldo Heleno, estavam presentes cerca de 180 representantes dos povos Xacriabá, Aranã, Mokuri, Maxakali, Kiriri e Pancararu (Minas Gerais), Atikum, Sapuiá Kiriri, Pankaru, Pataxó Hã-Hã-Hãe e Fulni-ô (Oeste da Bahia), Tupinambá, Pataxó Hã-Hã-Hãe e Pataxó (sul e extremo sul da Bahia).

Além de promoverem um encontro para avaliar as lutas do primeiro semestre e acertarem uma agenda conjunta de luta para tentar evitar que o Supremo Tribunal Federal (STF) aprove a chamada repercussão geral (marco temporal). A proposta, defendida por latifundiários, prevê que só devam ser demarcadas as terras ocupadas pelos povos indígenas até a data da promulgação da Constituição, em 5 de outubro de 1988. Os indígenas, apoiados pelo CIMI, CPT e Cáritas, lutam pela manutenção do conceito de direito originário, que leva em consideração o fato de os povos originários estavam aqui quando o estado brasileiro estava se consolidando.

Eles trocaram experiências com quilombolas, ribeirinhos, geraizeiros e integrantes das comunidades de fundo e fecho de pasto. Na Via Sacra, que contou com três estações, os indígenas participaram no momento morte, quando foram divulgadas estatísticas de violência contra os povos originários. Só este ano, quatro jovens foram assassinados por motivos fúteis. Entre eles, Vitor Braz de Souza, indígena de 21 anos, morto com um tiro no pescoço após de reclamar de o barulho de uma festa que não deixava o filho dele, de apenas 30 dias, dormir. A formação de milícias de fazendeiros para expulsar os indígenas também foi relatada.

Frei Luciano Bernardi. Foto: Thomas Bauer/CPT-BA/H3000

Durante a Romaria da Terra e das Águas foram comemorados os 50 anos de ordenação sacerdotal e 25 anos de ordenação episcopal de Dom Luiz Cappio, os 50 anos do Conselho Indigenista Missionário e os 50 anos de ordenação do frei franciscano Luciano Bernardi, que hoje atua no Bairro da Paz, em Salvador, e é assessor da Comissão Pastoral da Terra – Bahia. Bernardi calcula ter participado de 30 romarias, pelo menos. Em uma ocasião, percorreu a pé os 516 quilômetros entre Itaberaba e Bom Jesus da Lapa.

Para o frei, que não ia à Lapa há quatro anos por causa da pandemia e por causa de problemas de saúde, há mudanças interessantes na romaria. Ele ressalta que os participantes de hoje não são camponeses, como no passado. São pessoas que têm acesso aos meios de comunicação e não aceitam ter como destino a migração para São Paulo em busca de trabalho.

Frei Bernardi ressalta ainda que os participantes estavam sentindo falta da formação e do reencontro necessário para encorajar a continuidade da luta por seus direitos. O religioso elogiou a capacidade dos organizadores e de seus assessores para escutar os oprimidos e deixar claro que eles são os protagonistas de todo processo. Também constatou a redução da participação dos jovens e o aumento da autonomia das mulheres.

“A participação dos indígenas também cresceu. Eu fiquei entusiasmado com isso porque eles estão sendo muito pisoteados” – disse.

Além de 15 povos indígenas, participaram da 45ª Romaria da Terra e das Águas representantes de três arquidioceses, 11 dioceses, entidades, pastorais, ONGs e movimentos sociais.

 

–*–*–

OUTRAS REPORTAGENS:

‘Pega seu governo genocida e vai embora ‘

Romaria lembra mártires socioambientalistas

A Igreja perdeu o caminho da periferia

Via sacra mostra sofrimento de povos tradicionais

A carta da Romaria das Terras e das Águas

 

–*–*–

(*) Colaboraram: Nathan Dourado, Claudio Dourado, Gilmar Santos, Equipe da Paróquia São Sebastião (Seabra-BA).

Cobertura da Romaria da Terra e das Águas foi feita em parceria com a CPT-BA

Jornalista, editor, professor e consultor, 59 anos. Suas reportagens ganharam prêmios de direitos humanos e de jornalismo investigativo.
follow me
Compartilhe esta publicação:
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

4 respostas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Sites parceiros
Destaques