O governador emudeceu

Paulo Oliveira

O governador Rui Costa não respondeu às perguntas sobre o processo de militarização das escolas públicas, autorizado por ele a cinco meses da eleição de 2018. Na época, Costa foi reeleito em primeiro turno. O questionário foi encaminhado pela equipe de Meus Sertões, no dia 12 de abril. A coordenadora executiva da assessoria de imprensa, Arla Coqueiro, confirmou o recebimento dos questionamentos no dia 14. Depois disso, assim como o governador, silenciou-se.

A reação taciturna do governador e de sua assessoria reforça o que está evidente no artigo “A militarização das escolas públicas”, publicado em 31 de agosto de 2018, no Le Monde Diplomatique Brasil , e anexado ao inquérito aberto pelo Ministério Público Federal (MPF).

Na publicação, o cientista social Rudá Ricci diz que os gestores não estão interessados em se aprofundar no debate sobre a educação. O objetivo deles é criar um programa espetaculoso, que polemiza e atrai a atenção.

“Um atalho que pode dizer muito em termos eleitorais, mas pode interditar o futuro de nossas crianças e adolescentes” – afirma Ricci.

Este foi o questionário enviado ao governador:

1- Qual a avaliação que o senhor faz dessa iniciativa (militarizar escolas)?

2- O senhor defende que o modelo seja expandido para o ensino fundamental e para o ensino médio?

3- Em qualquer cargo político que o senhor tenha daqui para frente, o senhor tentará implantar este sistema em larga escala? Por quê?

4- O relato de casos de preconceito, como ocorreu recentemente em São Sebastião do Passé, e o rigor disciplinar excessivo não demonstram falhas graves no modelo implantado pela PM e pelas prefeituras?

5-A ida da PM para as escolas, já que a maioria delas fica em áreas de conflito e vulnerabilidade, não é uma demonstração de que a Polícia Militar não consegue controlar os índices de criminalidade na rua e, ao mesmo tempo, não passa de uma tentativa de melhorar o conceito dos policiais e da instituição perante a população?

6- O senhor estudou ou gostaria de estudar em uma escola do tipo que foi autorizada em sua gestão? Caso a resposta seja sim, em qual colégio e como foi sua experiência?

7- O senhor acredita que o modelo deste modelo híbrido – PM e Secretarias Municipais de Educação – é includente? Por quê?

8- Por que o senhor autorizou a implantação desse sistema?

9- Quais os principais investimentos feitos na área de educação no seu governo?

10- O senhor vê semelhanças no modelo criado pela Bahia e os de Goiás e do presidente Bolsonaro? Sim, não? Quais semelhanças e diferenças entre eles?

–*–*–

Esta série de reportagens foi financiada pelo Edital de Jornalismo de Educação, uma iniciativa da Jeduca e do Itaú Social.

–*–*–

LEIA A SÉRIE COMPLETA

PARTE I

A militarização das escolas na bahiaO avanço para o interior O exemplo goiano Diferentes escolas militares e militarizadas

PARTE II

A elitização da primeira escola militarizada A história do Colégio Maria do Carmo Mães aprovam modelo CPM, filhos nem tantoFundamental I e ensino médio na mira

PARTE III

Conceição do Jacuípe: boletim expõe alunos O regulamento e a cartilha Muita fé e só uma mulher entre 466 tutores Tutor disciplinar barra aluna negra

PARTE IV

Escola troca nome de vítima da ditadura Mais unidades da PM do que infraestrutura Entre a esperança e o bafo da milícia Inquérito 1.14.001.001281

PARTE V – FINAL

Miriam Fábia: “Impacto brutal na formação dos jovens”Major Fabiana: ‘Disciplina como ferramenta para a vida’ Depoimentos de ex-alunos do CPM

 

 

 

Jornalista, editor, professor e consultor, 59 anos. Suas reportagens ganharam prêmios de direitos humanos e de jornalismo investigativo.
follow me
Compartilhe esta publicação:
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Sites parceiros
Destaques