A gruta milagrosa

“Noi italiani lavoratori
Allegri andiamo in Brasile
E voialtri d’Italia Signori
Lavoratelo il volstro badile
Se volete mangiare.”

Tradução:
“Nós, trabalhadores italianos
Vamos contentes para o Brasil
E vocês, nobres da Itália
Peguem a pá
Se quiserem comer”

Os primeiros italianos a chegarem em Nova Bréscia, no Rio Grande do Sul, em 1816, em busca de trabalho, deixaram a cidade de Bréscia, na região da Lombardia, cantando esta música, que se transformou em uma espécie de hino. Em 1932 os Caliari, Lazareno, Novare se fixaram na antiga localidade de Gramado de São Francisco, na época Vila Progresso[1].

Católicos fervorosos, os italianos tiveram como referência religiosa o frade franciscano holandês Constantino Van Rynn, que aportou na localidade nove anos depois da primeira leva de imigrantes, muitos deles concentrados no atual povoado de Rui Barbosa[2]. O lugar deixou de pertencer a Progresso e passou a integrar Canudos do Vale quando a cidade se emancipou de Lajeado, em 1996.

A gruta de Rui Barbosa foi descoberta por Antonio Sbardeloto, dono das terras de difícil acesso no alto da serra. Havia muito mato, espinhos e pedras. Partiu do proprietário a ideia de doar o local para Frei Constantino, que no início recusou a oferta. Convicto de que a região era apropriada para cultos católicos, Sbardeloto convidou três amigos para convencer o religioso a receber a cova e o terreno entorno dela. Os quatro homens limparam todo o terreno e realizaram a primeira festa dedicada à Nossa Senhora de Lourdes, no segundo domingo de fevereiro.

A inspiração para venerar à santa veio da crença que Nossa Senhora apareceu para a pequena camponesa de 14 anos que apanhava lenha no campo com a irmã e uma amiga. A primeira das 20 aparições para Bernadette Soubirous ocorreu na gruta de Massabiele, em Lourdes, na França, em 1858.

A jovem tentou esconder o fato da família, mas a história foi revelada por uma de suas acompanhantes. Em uma das vez que viu Nossa Senhora Bernadette encontrou uma nascente de água, utilizada para curar pessoas. Foram relatados até hoje 70 milagres e cerca de 7.000 curas inexplicáveis. Anos mais tarde, Bernadette foi canonizada,

Ao lado de Aparecida do Norte, no Brasil, e de Fátima, em Portugal, Lourdes é um dos três lugares mais frequentados por devotos marianos. Apesar disso, em 8 de junho de 2019, o Papa Francisco interveio em Lourdes com o objetivo de recuperar a dimensão espiritual do local, que se transformou, segundo o jornal El País, em uma espécie de parque temático, responsável pelo sustento de cerca de 15 mil pessoas.

Mas voltemos à gruta de Rui Barbosa. A própria comunidade se incumbiu de fazer melhorias e promover as celebrações, festas e milagres. Os moradores encomendaram as imagens da santa e de Bernadette em Lajeado e as puseram no local considerado sagrado, protegidas por uma caixa de vidro, em 1947.

A imagem de Nossa Senhora de Lourdes foi posta no local em 1947. Encomendada em Lajeado e paga pelos moradores, ela permanece até hoje, dentro de uma caixa de vidro.

Com o apoio da Igreja Católica, que incentiva a realização da novena e dos festejos, a gruta milagrosa de Nossa Senhora de Lourdes atrai entre 1.100 a 2.500 pessoas, que também participam do churrasco comunitário.

No ginásio e na área em volta dele costumam se reunir entre 1.100 e 2500 pessoas durante os festejos. Há quatro anos, foi batido o recorde de participantes. Quatro mil pessoas ocuparam as mesas espalhadas pelo local. Isso equivale a um acréscimo de 236% na população da estimada (1.693 habitantes) de Canudos do Vale pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) ou de 1400% dos moradores de Rui Barbosa (72 famílias ou 288 pessoas).

Para se emancipar, Canudos do Vale teve que anexar terras de Boqueirão do Largo e Progresso. O processo envolvendo questões religiosas também foi complexo. Ligada a outras três cidades da comarca eclesiástica de Boqueirão do Leão, ela teve que adotar o padroeiro da vizinho vizinho município de Sério:  São José. Apesar disso, a igreja no centro de Canudos é dedicada à Nossa Senhora da Natividade e à Nossa Senhora de Caravaggio.

Embora Canudos do Vale tenha um padroeiro herdado, as localidades e povoados têm seu próprio protetor. Rui Barbosa, por exemplo, ergueu uma igreja em 1958 e dedicou o templo a Santo Antônio. Repintada em 2010 e reformada nove anos depois, o santuário recebe mensalmente a visita de um padre de Marques de Souza. Fora dessa data, as atividades são celebradas por um ministro eucarístico.

A principal figura religiosa da Canudos gaúcha é o frade Vicente Kunrath, homenageado ao dar o nome à escola municipal criada em 2015. Ao contrário de Antônio Conselheiro, beato que serviu à população de seu país natal, Kunrath, brasileiro descendente de alemães e italianos, foi missionário na Indonésia, onde está sepultado, e no Timor do Leste.

ENTRE A FÉ E A BOLA

A festa de Nossa Senhora de Lourdes não foi realizada entre 1962 e 1964 e perdeu muito público nos anos seguintes. As rezas, procissões, romarias por pouco não acabaram. Uma outra paixão dos italianos tinha se tornado prioridade: o futebol. Os rui-barbosenses preferiam assistir os jogos da equipe local em vez de cultos religiosos. Estavam motivados com o título de campeão do Brasil na Copa do Mundo. As cores do Canarinho são as mesmas da seleção.

O ex-presidente da festa Otomar Caliari conta que foi preciso recomeçar do zero. Os responsáveis pela recuperação do evento foram João Pretto, Danilo e Dionísio Caliari – os dois últimos irmão e primo do entrevistado.

Em 1981, Otomar “saiu de campo”, deixou de ser dirigente do Canarinho e foi eleito presidente da comissão responsável pelo evento da gruta. A primeira providência dele foi divulgar os festejos na rádio Independente e no jornal Informativo. Já no primeiro ano, o número de participantes dobrou.

Em seguida, foram criados dois concursos: a boneca (menina) e o piá (menino) da festa:

“A gente bota uma rifa, entrega os talões para os pais. Cada número vendido reverte em um voto para a criança concorrente. Quem vende mais é eleito. O dinheiro arrecadado serve para a organização e  para melhorias na estrutura” – explica Otomar, que há mais de 30 anos ocupa cargos na comissão. Durante 10 anos foi presidente.

O empreiteiro Nelson Werner comprou o maior número possíveis de talões da rifa para eleger a filha Luana como “Boneca da Festa”, em 2002. A intenção era pagar uma promessa. Ele e a mulher, Isolda, não conseguiam ter filhos, mesmo submetidos a longo tratamento. Logo após o prometido, a criança nasceu.

O depoimento de Werner faz com que Otomar Caliari cite uma série de promessas e milagres obtidos, segundo ele, graças à Nossa Senhora de Lourdes. A maioria dos casos tem a ver com cura de doenças. Um dos integrantes da família Pretto estava praticamente surdo quando o pai dele, também chamado Nelson, apelou à santa. Atendido, levou uma placa de agradecimento e colocou na gruta, onde este tipo de ex-voto de madeira ou mármore é comum.

O próprio Caliari conta que as bençãos de Nossa Senhora também recaíram sob a família dele:

“Meu irmão Orlandivo perdeu um dos braços em uma engrenagem do engenho de cana. Fomos depressa para Lajeado e de lá, para Porto Alegre. As chances dele sobreviver eram pouquíssimas. Mas ele fez a promessa e foi salvo”.

Outro relato envolve Paulo Pretto, dono de vários edifícios em Lajeado e de uma invernada[3] em Canudos do Vale.

“A filha de Cristiano Berté trabalhava com Pretto há 23 anos. Ela estava juntando dinheiro para comprar uma casa e prometeu visitar a gruta quatro vezes por ano se conseguisse ter uma residência. O patrão soube que havia três terrenos pertencentes a um político à venda. Comprou as terras e repassou um lote para ela. Hoje a rua que a a ex-empregada de Pretto mora se chama Nossa Senhora de Lourdes. Ela continua vindo rezar aqui a cada três meses. E Paulo Pretto ganhou muito dinheiro com os outros terrenos. Pagou R$ 6 mil em cada um e vendeu por R$ 400 mil, cada” – revela.

Os presidentes que sucederam Caliari mantiveram os concursos e nunca deixaram de fazer obras. Foram construídos um salão imenso com cobertura de ginásio, uma área de estacionamento, 28 espaços para churrasqueiras e 20 banheiros. O investimento mais recente é a Avenida Nossa Senhora de Lourdes, toda  construída pela comunidade.

NOVENA E CHURRASCO

A programação dos festejos na gruta milagrosa incluíam uma corrida rústica. No entanto, uma das mulheres da comunidade sugeriu substituir o evento esportivo por algo que reforçasse a religiosidade da comunidade. Desde 1984, a novena foi introduzida.

As celebrações começam quando as imagens são levadas por dois quilômetros em procissão até a Igreja de Santo Antônio, no núcleo central de Rui Barbosa. Lá, é celebrada uma missa no sábado anterior à romaria.  Cada dia de reza é organizado por uma comunidade (Xaxim, Nova Berlim) ou associação (Clube de Mães, catequistas, etc.).

Por causa da pandemia de covid, as celebrações no dia de Nossa Senhora de Lourdes deixaram de ser realizadas nos últimos dois anos A 39ª edição aconteceu em 2019. Na programação, a missa e a bênção da saúde vêm antes do almoço “ao estilo piquenique”, no qual as pessoas que compram os tíquetes do churrasco comunitário só levam talheres e são servidos no ginásio. Este é um importante meio de arrecadação para os organizadores do evento.

Na última festa foram servidos pelo menos 1.100 quilos de carne, pães, cucas[4] e muita cerveja.

“O Churrasco é em Canudos, o cheiro toma conta de Marques de Souza e a fumaça vai para progresso[5]” – brinca Caliari com o fato de Rui Barbosa estar próximo de outros dois municípios:

O resultado dos concursos de piá e boneca são anunciados quando o almoço termina. A celebração termina com um baile animado por banda. A participação da prefeitura fica por conta dos serviços de terraplenagem e a disponibilização de profissionais da área de saúde para eventuais emergências. O atual presidente da comissão da festa da gruta é Lenizo Gionella.

Durante o ano, as churrasqueiras do ginásio podem ser utilizadas por visitantes. No mesmo local é realizado o grande baile da terceira idade, no segundo sábado de dezembro. Fora dali, no centro comunitário o Clube de Mães prepara almoços italianos com polenta, quatro tipos de lasanha, massas diversas e brócolis.

Existe um plano de marketing para transformar a gruta em ponto turístico religioso, em parceria com a prefeitura de Marques de Souza, cidade que possui oito balneários no rio Forqueta e pelo menos seis campings bem estruturados.

—*—*—

[1] Vila Progresso, depois Progresso só seria emancipada de Lajeado em 1987.

[2] Apesar de se emancipar em 1996, Canudos do Vale só ganhou autonomia administrativa em 1 de janeiro de 2001

[3] Área de pastagem para engorda de gado.

[4] Bolo de tabuleiro com farofa surgido na região da Silésia e trazido para o sul do Brasil por imigrantes alemães. O streuselkuchen, que no sul do país foi aportuguesado para cuca, é muito popular. Hoje, ele é feito com diferentes coberturas de frutas, geleias e doces.

[5] O centro de Canudos fica a 8 km de distância; Progresso, a 18 km; e Marques de Souza, a 22 km.

 

Parte I - A Canudos do sul Parte III - Ana, il portiere*

Jornalista, editor, professor e consultor, 59 anos. Suas reportagens ganharam prêmios de direitos humanos e de jornalismo investigativo.
follow me
Compartilhe esta publicação:
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Sites parceiros
Destaques