Sonho santo

Sonho santo

O catolicismo popular se formou a partir de uma variação de crenças e práticas socialmente incorporadas como católicas. Inclui a devoção aos santos, às romarias, às novenas, procissões, bênçãos, festas de padroeiros e promessas. A explicação é do filósofo João Everton Cruz, doutorando em Ciências da Religião pela Pontifícia Universidade Católica (PUC-MG), no artigo “Hipóteses se interpretação do catolicismo popular com base na sociologia e na psicologia”, publicado no site Brasil Escola.

Muitas vezes, a prática, desenvolvida pelo povo que foi desprezado pela Igreja Oficial por muito tempo, foi definida pela expressão “muita reza, pouca missa; muito santo, pouco padre”. Reforça assim a ideia do contato das pessoas humildes diretamente com o sagrado, sem a participação da Igreja. Essa conexão inclui promessas, penitências e rezas.

Outra característica desse fenômeno é o culto aos mortos, realizado através do ritual do velório, onde são entoados benditos, preces e cânticos. Em suas pesquisas, a especialista em cultura popular e médica Helenita Monte de Hollanda se deparou com uma ladainha, versão popular para a oração “O sonho de Nossa Senhora”.

A invocação à Virgem Maria foi feita na cidade de João Costa, a 489 quilômetros de Teresina, capital do Piauí.  A localidade, emancipada em 1995, tem 3.005 moradores , sendo que 2.202 (73%) vivem e trabalham na zona rural. Uma delas é a orante Maria Rita.

“Dona Maria puxa cantigas de esmola, benditos e incelenças, com a sua voz lastimosa e típica dos rezadores de um tempo que parece passado e nos surpreende pela vivacidade com que chega ao século XXI” – diz Helenita.

 

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *