Irmão das almas

Irmão das almas

Cícero Lázaro Gonçalves Moreira, um assinante do canal de apenas 24 anos, muito nos ensinou e será o protagonista do programa de hoje. Vocacionado desde a infância, era um menino observador a aprender as “incelenças”, benditos e benzeduras, desde o tempo da sua bisavó, Índia pega em dente de cachorro lá pelo Ceará, que muito lhe ensinou é tanto silenciou sentenciado “nem tudo que se sabe se ensina!”

Mas o nosso menino cresceu cheio de sabedoria e algum desgosto por ver perderem-se as tradições que mais preza.

Do tanto que nos ensinou, precisaremos dividir o conteúdo para melhor valorizar os seus saberes. Hoje, fiquemos com os rituais que ele ressuscita para o enriquecimento da nossa cultura.

As incelenças são formas musicais muitos simples, porém de conteúdo profundo rezadas nas sentinelas, nome dado aos antigos velórios, durante toda a noite, e que tem como objetivo ajudar o morto a encontrar o seu caminho, geralmente pela interseção da Virgem Mãe de Deus e de São Miguel.

Os cantadores de incelenças são pessoas vocacionadas para o ofício, de fé profunda e “irmão das almas”.

Num passado recente, não havia sentinela sem essa cantoria lamuriosa, carregada de piedade pela alma do defunto, muitas vezes já amortalhado pelos cantadores. Estes benditos fúnebres tem a finalidade de entregar o defunto aos cuidados do Arcanjo Miguel, que pesará as almas, e da Virgem Maria, advogada nossa, que intercede pela salvação do morto principalmente quando a pesagem feita por São Miguel revela ser ele um pecador.

De Lázaro é a palavra autorizada.

Nasceu e cresceu numa típica família brasileira. Potiguar, morando na Bahia há vinte anos, é médica de formação e pesquisadora da cultura popular. Nos últimos 10 anos abandonou a sua especialidade em cardiologia e ultrassonografia vascular para atuar como médica da família na Bahia e no Rio Grande do Norte, onde passou a recolher histórias e saberes. Nessa jornada publicou cinco livros.”. No final de 2015 passou temporada no Amazonas recolhendo saberes indígenas.
follow me

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *