Arte medieval – Série: parte 6

Arte medieval – Série: parte 6

O monge mais novo da Abadia de Nossa Senhora Mãe do Divino Pastor é o que mantém a tradição mais antiga no Mosteiro de Jequitibá, em Mundo Novo, no sertão baiano. Graças ao irmão Bernardo Araújo, 30 anos, o monge artista, é que são confeccionados pergaminhos com iluminuras e os círios pascais, tradições iniciadas na Idade Média.

Antes de conhecer as habilidades de Bernardo, vamos conhecer um pouco desse personagem. Monge professo simples, religioso que fez os votos de estabilidade (pertencimento a uma única comunidade cisterciense dentre as várias existentes no Brasil e no mundo), obediência e mudança de costumes de vida, que engloba castidade e pobreza, Bernardo tem três anos para decidir se quer fazer a profissão solene e se tornar um monge definitivamente.

Atualmente, ele é o responsável pelas artes, restauro de imagens, confecção de velas, decoração da igreja, acolhida de hóspedes no claustro, por aulas de religião no colégio mantido pela Fundação Divina Pastora, pelo coral de senhoras e pela limpeza do noviciado, da igreja e da passarela entre o mosteiro e o templo. Além disso, participa das orações, cantos e missas e faz a Lectio Divina (leitura orante) durante as refeições dos religiosos.

O ateliê de irmão Bernardo fica no antigo posto de saúde do monastério. Lá, ele confecciona o Círio Pascal, velas de cera de abelha, capazes de ficarem acessas por 24 horas durante um mês, e medalhas de gesso de São Pedro. Círio vem do latim “cereus” e significa cera, produto do trabalho das abelhas. Essa vela simboliza o Senhor Ressuscitado e passou a ser adotada pela Igreja Católica por volta do século VI, no período conhecido como Alta Idade Média.

Bernardo explica que as velas de cera medem, em média, um metro de altura e oito centímetros de comprimento e ficam acesas durante todo o período da Páscoa. Depois, só durante batismos, crismas ou momentos especiais.

“Como é de cera e tem um pavio curto, o círio vai queimando e retendo o líquido. Ela quase se transforma em uma lamparina que se consome em pequena quantidade” – explica o monge.

Para produzir essa vela especial, a cera é derretida e o líquido é despejado em um cano de policloreto de vinil (PVC) com óleo, vaselina e pavio. No passado, enrolava-se a cera com tiras com mel. Em outro caso, a cera é misturada à parafina e à medida que vai esfriando deve ser compactada com barra de ferro para não ficar oca – assim ela derrete em menos de uma hora – e pegar fogo.

ARTE MONÁSTICA

 

A decoração dos círios é feita com tinta acrílica, folha de ouro e missangas. Algumas partes são talhadas para dar relevo. São Bento e São Bernardo são alguns dos santos esculpidos na vela, que tem especificações obrigatórias. Nela, devem constar a primeira e a última letra do alfabeto grego, alfa e ômega, e o ano, indicando que a Páscoa de Jesus, princípio e fim do tempo e da eternidade, nos alcança sempre com força.

O Círio Pascal tem cinco cravos de incenso incrustrados, simbolizando as cinco chagas santas do Senhor da Cruz e o desenho de um cordeiro ou de um pelicano, representando a vitória de Cristo sobre a morte. Geralmente, as cores utilizadas são as que mais lembram Jesus: vermelho, azul e dourado. Bernardo ressalta que outras tonalidades podem ser utilizadas, menos cores estrambólicas como rosa ou roxo.

Bernardo recebe anualmente encomendas de outros mosteiros, igrejas e dioceses. Dentre seus clientes estão o Mosteiro de Olinda (PE), o Mosteiro de São Bento de Salvador e as dioceses de Salvador, Vitória da Conquista, Paulo Afonso e Ruy Barbosa. Em 2019, o monge, que descobriu talento para desenhar no início da adolescência, produziu 105 círios em 40 dias. Cada vela consome pouco menos do que um quilo de cera. Cada uma é vendida por R$ 400. No entanto, algumas paróquias preferem acham caro e encomendam as que utilizam uma mistura com 50% de parafina. Geralmente, as igrejas e mosteiros guardam as velas de cera em seus acervos. Outro sinal de mudança dos tempos é que os círios também são vendidos para particulares como peça de decoração.

PERGAMINHOS

A apresentação de cartas de profissão em estilo medieval, com iluminuras, é obrigatória para os monges. Esses documentos servem de testemunho dos atos dos religiosos, quando eles se tornam professos simples ou solenes e levam até 25 dias para ficarem prontos. O monge leva a carta no dia da cerimônia, lê e assina. O abade também coloca sua assinatura. O sacramento da eucaristia é feito sobre a carta, que será guardada nos mosteiros.

Os temas dos pergaminhos variam de acordo com o evento, além das profissões monásticas, os jubileus de 25 e 50 anos. As folhas de ouro são coladas e a pintura é feita com tinta acrílica fosca azul e dourado. A aplicação de verniz mordente visa acelerar a secagem.

Irmão Bernardo explica como é o processo de preparação dos pergaminhos:

“Primeiro faço o esboço a lápis, depois com bico de pena e muito cuidado. Geralmente os santos padroeiros são desenhados no pergaminho feito com uma mistura de diferentes tipos de papéis. No passado, eles eram de pele de ovelha e difíceis de pintar. Eu uso folha de ouro, escrevo com letras medievais e desenho os santos – os mais frequentes são e Nossa Senhora da Conceição, São Bento e São Paulo” – revela

Bernardo fez quatro cartas de profissão e de jubileus ano passado.

leia a série completa sobre o mosteiro:

O mosteiro de Jequitibá Vida de monge Os dois museus do monastério O monge holístico A pousada e o claustro A igreja da Divina PastoraDespertar no mosteiro

Jornalista, 58 anos, traz no sangue a mistura de carioca com português. Em 1998, após trabalhar em alguns dos principais jornais, assessorias e sites do país, foi para o Ceará e descobriu um novo mundo. Há dez anos trabalha na Bahia, mas suas andanças não param. Formou comunicadores populares nas favelas do Rio e treinou jornalistas em Moçambique, na África. Conhece 14 países e quase todos os estados brasileiros. Suas reportagens ganharam prêmios de direitos humanos e de jornalismo investigativo.
follow me

2 reflexões sobre “Arte medieval – Série: parte 6”

  1. HelenitaDisse…
    Replied on

    Grande!

    1. Paulo OliveiraDisse…
      Replied on

      Obrigado Helenita!

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *