Mês: junho 2018

Vento danado

SOTAQUE DE UM POVO NAS BARRANCAS DO VELHO CHICO

Às vezes a gente custa a acreditar em certas coisas. E, eu, confesso, só vim acreditar na história que Carlos Beiju me contou depois que outros pescadores confirmaram.

Muitos anos atrás, era comum, depois da piracema, uma parte dos moradores da comunidade de Paramelos se mudar temporariamente para os ranchos de pescarias de Pau Seco, Pereiro e Mangue Fundo.

Nesses locais de lances de rede, eram comuns histórias de livusias, mal-assombro, merecendo destaque a de um finado que gostava de cutucar os outros por detrás.

Mas, eu vi a coisa feia de nego perder o rompante, foi naquele dia. Era boca-da-noite, durante o dia já tinha batido um vento mouco, e eu pitano um cigarro enquanto me preparava pra lida.

Quando pensa que não, eu escuto o beiço do barco bater no outro lá na beirada do rio, quando alguém gritou de lá:

“Vigia aí, que o vento vem acabano com tudo.”

Era mulher puxano os meninos para dentro das casas. Portas batendo. Cavalos quase rompendo cabrestos. Galinhas, porcos e cabritos amoitano em busca de abrigo.

Quando eu corri pra fechar a porta não deu tempo, o redemoinho foi tão medonho que abriu o cadeado da mala de Maria de Coló e carregou a camisola dela, pegou no Pereiro e foi jogar no Mangue Fundo.

COISAS DE XIQUE-XIQUE NA BAHIA.