O batizado

O batizado

SOTAQUE DE UM POVO NAS BARRANCAS DO VELHO CHICO

Na beira d’água o coro comeu/
Pandeiro trinou/
Violão respondeu/
Iaiá peneirou/
Ioiô sambou.

E na beira d’água o coro comeu/
Passarim cantou/
Ioiô peneirou/
Na palma da mão/
o samba esquentou.

É samba de rio, samba de sereia/
Iaiá vadiou, Iaiá vadea/
Rodando, rodando, na areia/
vadea vadea, vadea…/
vadea Iaiá, na areia.

A viola chamou/
Belmiro respondeu/
Em semicolcheia a caixa entrou/
Samba no pereiro/
Nego sambou.

Pascoal na viola o samba comia/
Na casa de farinha caldeirão fervia/
No batizado de Dalton, o bicho pegou/
Samba de roda/
Todo mundo sambou.

A gengibirra Germano cuidava/
No balanço do barco ela fermentava/
No meio do samba Germano gritou/
Disaréda, afasta meninada!…/
Hoje o barril num está com nada.

A todo vapor o estampido anunciava/
Que a tampa do barril/
Pelo rio voara/
E a gengibirra de Germano, que já era pouca/
Acabara.

Coisas de Xique-Xique, na Bahia.

–*–*–

Dicionário Beiradeiro

Gengibirra – Bebida artesanal a base de gengibre, fabricada por apenas um beiradeiro da região.

Pereiro – Rancho de pescadores.

Arilson B. da Costa Contributor
follow me

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *