Botija e riqueza

Botija e riqueza

Vem dos meus começos recifenses as lembranças dos primeiros relatos sobre pessoas que receberam e arrancaram botijas – nenhum deles em primeira pessoa. Sempre casos contados por alguém que “ouviu falar em…”, “soube que…”. Já não é a primeira vez em que falamos sobre o tema.
Hoje é ainda de Pernambuco, do município de Aliança, que trazemos a história que encontrei contada por alguém tão próximo de um beneficiário que, tendo arrancado uma gorda botija seguindo fielmente as instruções apresentadas em sonho, alcançou prosperidade como comerciante. ´É de sua filha o relato minucioso dos fatos:

 

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *