A homenagem

A homenagem

NAS BARRANCAS DO VELHO CHICO

No piloto do paquete, o vei Germano preocupado com o vento disse a João Durim:
“João, rema senão vamos perder o balaio.”

Ele, remando, preguiçosamente, com as mãos, respondeu lentamente:

“Que nada Germano, aqui mesmo vai…”

Enquanto isso, o garoto Chico de Aurélio Baia, recolhendo o peixe no calão da rede, proseia:

“Eta! Zé Carcunda, essas mininas da Lagoa da Taparica parece com as corvininha nas primeiras z’águas.”

“Chico, nem inventa, namorador na casa de Naninha é Setenta” – respondeu Zé.

“Eta! Nois, assistir jogo dos paraibano é um rebuliço, é um tal de ‘Bastião, incruza a bola pelo acero, pra que? Pra fazer o gorro, quando for no ataque o time tem que espalhar’”.

Germano, senhor de feição e expressão meditabunda, sentado no piloto do paquete, meditou,  tomou o rumo da prosa e disse:

“Morrer no tabuleiro é ser homenageado de forma exótica: ‘Morreu, fi duma égua’, essa é a homenagem que Chico de Deda presta a família do defunto durante o velório, mas na sentinela de Mané Capote o homem engoliu o grito, mesmo assim ele dirigiu-se ao bar de Gilberto Botafogo, em Utinga, e disse: ‘Gilberto eu não gritei lá, mas vou gritar aqui: morreu safado vei.’”

Coisas de Xique-Xique (BA)

Arilson B. da Costa Contributor
follow me

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *