Alegria de viver

Alegria de viver

Marcos Alberto de Oliveira Vieira é sociólogo, professor universitário, gestor público na área de cultura, turismo e meio ambiente e desenvolve projetos no Instituto Vale do Jaguaribe. Em todas as atividades está presente uma antiga paixão: a fotografia.

É dele a exposição “Sorrisos do Sertão”, que estreia hoje na seção Galeria. Marcos, que tem trabalhos em livros, discos, CDs e em tem no currículo exposições coletivas e individuais foi o segundo colocado no 1º Concurso de Fotografia Meus Sertões, em 2017.

Marcos Vieira, sociólogo e fotógrafo cearense.

“O semiárido cearense, brasileiro, é sempre visto como uma coisa seca, da dor, da exclusão. Achei interessante fazer um contraponto com a vontade de viver. Homens, mulheres e crianças demonstram que no sertão há alegria, apesar dos problemas que existem. Essas agruras não apagam os sorrisos e reacendem esperanças e sonhos que podem ser acalentados e cultivados” – diz.

HERANÇA

O pai de Marcos , Alberto Barros Vieira, nasceu em Aracati (CE) e foi para Fortaleza, em 1958, por causa da seca que assolava sua cidade. Na capital, aprendeu o ofício de fotógrafo e passou a trabalhar em casamentos e batizados, além de tirar fotografias para documentos. Chegou a possuir uma pequena loja no centro de Fortaleza.

Ainda no tempo do retoque, da terebintina e das fotografias pintadas, o futuro sociólogo começou a usar uma Yashica Mat 124. A paixão pela atividade continua até hoje. No entanto, a fotografia deixou de ser o seu ganha pão profissional e se transformou em trabalho autoral.

Outra herança familiar é o fascínio que o fotógrafo tem pela região que engloba as cidades de Beberibe, Aracati e Icapuí. Em 15 anos, produziu cerca de 150 mil fotografias sobre elas. Doze de seus moradores fazem parte de “Sorrisos do Sertão”. Nascido em Fortaleza, Marcos receberá no próximo sábado, dia 16 de dezembro, o título de cidadão aracatiense.

Uma das fotos dos personagens sorridentes, a do vaqueiro Beni, ilustra o livro de relatos “O Nosso Ceará”, da escritora Rachel de Queiroz e da irmã Maria Luiza de Queiroz Salek. A publicação foi lançada pela Fundação Demócrito Rocha, em 1996.

Foi através de Demócrito, hoje falecido, que Marcos conheceu a Rachel. Posteriormente, suas fotos ilustraram os textos que ela publicava no jornal O Povo. Também chegou a fotografá-la e a fazer registros da fazenda “Não me deixes”, em Quixadá, que pertencia à escritora.

CONCURSO MEUS SERTÕES
Concurso II
“Tia Áurea fazendo imbira”, Beberibe (CE)

Duas tias de Marcos aparecem em “Sorrisos do Sertão”. Uma delas é dona Áurea, 93 anos. Foi com a foto dela fazendo imbira que ele ficou entre os primeiros colocados do concurso realizado por Meus Sertões.

Outro personagem, Raimundinho é considerado pelo professor como uma representação do “homem feliz” ao qual o antropólogo Claude Lévi-Strauss se referiu ao falar sobre o Brasil.

Casado com Andreia Fernandes Melo, pai de Ravel e avô pela primeira vez, Marcos Vieira pretende fazer duas exposições em 2018. Uma delas se chama “Andança” e é baseada no trabalho de Dante Alighieri. A outra, “Rosa dos Ventos” é sobre a região cearense, híbrida de sertão e litoral, que ele adora.

sorrisos do sertão

3 reflexões sobre “Alegria de viver”

  1. Marcos Alberto de Oliveira VieiraDisse…
    Replied on

    Paulo Oliveira, muito obrigado pelo reconhecimento do meu trabalho. Gratidão!

  2. MayaraDisse…
    Replied on

    Oiii!!

    Minha mãe foi professora no CÉU e o pai do Marcos, sr Alberto Vieira foi fotógrafo de lá.
    Minha mãe queria muito falar com ele para parabenizá-lo pelo seu aniversário. Como faço pra falar com o Marcos Alberto?

    Obrigada!

    1. Paulo OliveiraDisse…
      Replied on

      Mayara, boa tarde. Ligue para 85 99237-8405 e ela fala diretamente com ele.
      Abraço,
      Paulo Oliveira, editor de Meus Sertões

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *