Gigantes da fé

Gigantes da fé

A estátua de Santa Rita de Cássia é considerada a maior imagem católica do mundo. Erguida em um morro da cidade de Santa Cruz, a 122 km de Natal, capital do Rio Grande do Norte, tem 56 metros de altura (42m mais 14m do pedestal). Ela supera em 18 metros o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro.

Essa obra monumental levou três anos para ser construída e custou cerca de R$ 6 milhões. Desde a inauguração no dia 26 de junho de 2010, atraiu aproximadamente um milhão de fiéis de todo o mundo com suas quatro romarias anuais. A do dia 22 de maio, quando se celebra o dia de Santa Rita, atrai mais romeiros: 60 mil, em média.

É de lá o vídeo desta semana da médica e pesquisadora de cultura popular, Helenita Monte de Hollanda, potiguar de nascimento e colaboradora de Meus Sertões desde a criação do projeto.

Padre Cícerp no alto da colina do Horto, em, Juazeiro do Norte (CE).

Helenita mostra também outra estátua gigante instalada no Nordeste, em 1969. Esta é bem mais conhecida. Trata-se de uma homenagem a Padre Cícero e tem 27m de altura.

A CIDADE E A SANTA

A história do município de Santa Cruz é marcada histórias de fé e devoção à Santa Rita. A cidade começou a ser povoada em 1831. Consta que na região havia grande presença de inharés, árvores consideradas sagradas pela população. Sabendo disso, um missionário mandou erguer uma cruz feita com galhos desta árvore em frente à capela de Santa Rita, no mesmo local onde os nativos enterraram suas aramas. A partir daí, Santa Cruz progrediu.

No entorno da antiga capela feita próxima à cruz é que foi construído o complexo religioso, avistado hoje no topo do Monte Carmelo. Ele é composto pela sala dos milagres, praça do romeiro, auditório, lojas de artesanato, mirante, restaurante, lanchonete e estacionamento.

Antes de se tornar monja agostiniana, Rita se chamava Margherita Lotti. Nascida em Roccaporena, na Itália, em 1381, ela casou e teve dois filhos. Seu marido, alcóolatra e brigão, foi morto por causa de uma rixa. Os filhos prometeram se vingar, mas morreram de peste antes de isso acontecer.

Margherita entrou para o convento, onde viveu por 40 anos e realizou o que teria sido seu primeiro milagre – transformar um pedaço de madeira seca em uma videira. Desde então, milhares de graças lhe são atribuídas. Rita morreu na cidade de Cássia, em 1457.

turismo religioso

Nasceu e cresceu numa típica família brasileira. Potiguar, morando na Bahia há vinte anos, é médica de formação e pesquisadora da cultura popular. Nos últimos 10 anos abandonou a sua especialidade em cardiologia e ultrassonografia vascular para atuar como médica da família na Bahia e no Rio Grande do Norte, onde passou a recolher histórias e saberes. Nessa jornada publicou cinco livros.”. No final de 2015 passou temporada no Amazonas recolhendo saberes indígenas.
follow me

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *