Mãos santas

Mãos santas

O ambiente em que o escultor e babalorixá José Geraldo Machado da Silva, o Gerard, 64 anos, vive é mágico. Há uma intensa paz no local onde estão localizadas a casa, o ateliê e o terreiro Pai Xangô das Cachoeiras.

Na entrada da propriedade, próxima ao balneário Cabeça de Touro, em Barra (BA), há pelo menos dez imagens na fachada. Três delas, com cerca de três metros de altura, homenageiam São Jorge, Iemanjá e São Francisco. Uma santa barroca, um anjo e pelo menos cinco aves completam o cenário, a uma quadra do rio Grande, que mais adiante se encontra com o São Francisco.

A fé de Gerard, que ganhou o apelido de colegas quando era novo e gostou tanto que o adotou como nome artístico, é fundamental para sua arte.

Aos 11 anos, ele sonhou com Bom Jesus vivo, entrando na gruta da Lapa (BA). Quando acordou, queria tanto ter a imagem que pegou uma faca que a mãe usava na cozinha e um pedaço de imburana (árvore nativa da caatinga) e começou a talhar.

“Saiu mais ou menos. A forma era parecida”, conta Gerard.

Depois desta experiência, diz que bastava se concentrar, pensar em um santo, que a imagem se formava em seu pensamento. A segunda criação foi Nossa Senhora da Conceição, de quem ele e a família são devotos apaixonados. Desta vez, usou barro retirado da margem dos rios que cortam a cidade.

Assim, sem nunca ter frequentado um curso de arte, sem saber desenhar, passou a esculpir santos e, depois, orixás.

“Penso em um santo e  vejo a imagem. Qualquer um. Pode ser santo da igreja católica ou uma figura do candomblé. A minha religião hoje é o candomblé, mas eu me dou com todas elas e gosto muito do catolicismo, da Igreja Católica. Me dou muito com o pessoal, com Dom Luiz Cappio. Ele me entende e eu entendo ele também, mas sou adepto do candomblé. Sou sacerdote da Nação Angola” – diz o escultor.

Dom Luiz é um amigo dileto de Gerard, que mantém em seu ateliê uma estátua de barro do bispo de Barra. O líder religioso católico também admira o artista. Ele incorporou imagens de Nossa Senhora da Conceição, de Cristo vivo e morto nos braços de Nossa Senhora, dentre outras, no acervo do Palácio Episcopal.

SINCRETISMO

Há cerca de 15 anos, Gerard teve a ideia de representar o sincretismo religioso em suas imagens com base na história de que os escravos, como seu avô, cultuavam os orixás escondidos, usando imagens católicas:

“Daí pensei por que não criar uma figura para mostrar que o santo é santo e o orixá é orixá e como os dois podem estar juntos” – relata.

Adotou nas imagens o estilo barroco. Admite que acha a arte moderna muito bonita, mas não se acerta com ela.

“Gosto de trabalhar com coisas difíceis. Adoro criar, ir procurando e encontrando”

Assim surgiram as imagens de Nossa Senhora da Conceição com Oxum, São Jorge e Oxóssi e muitas outras. Repassou sua arte para dezenas de discípulos, alguns o acompanham há mais de 20 anos, desde que passaram a frequentar as aulas gratuitas que dá para crianças carentes do bairro em que mora.

Foi ao ver uma destas obras que o carnavalesco da Escola de Samba Mangueira, Leandro Vieira, se inspirou para fazer a alegoria Cristo/Oxalá (Oxalufan), que entusiasmou a torcida no carnaval carioca deste ano. No entanto, ao contrário da convivência pacífica entre religiões que ocorre em Barra, no Rio, a Igreja pediu à Liga das Escolas de Samba que a imagem não fosse levada para o desfile das Campeãs e foi atendida.

A dualidade da obra do artista também está presente em temas como a vida e a morte.

TERREIRO

Além do ateliê, funciona na propriedade de Gerard o terreiro Pai Xangô das Cachoeiras, herança de seu avô, escravo africano, provavelmente nascido em Angola. A Casa passou muitos anos fechadas até o atual babalorixá assumir a missão de levar adiante a missão.

“Despertei para o candomblé, criança. Tinha visões e já incorporava, sem terreiro nenhum, sem canto nenhum, sem conhecer nada sobre a religião. Morava na Fazenda Boqueirão, distante daqui, subindo o rio Preto, no pé de uma serra, de uma grota. E aí, junto à natureza, o meu trabalho espiritual, o meu trabalho de arte, foram se desenvolvendo” – diz.

Só mais tarde, procurou outro sacerdote para aprender a jogar búzios.

O terreiro é de Xangô, o orixá de Gerard é Obaluaê, à frente da casa tem São Jorge, Iemanjá, São Francisco.  A explicação que o babalorixá dá para a mistura é comum no sertão:

“Sou do candomblé, mas tenho admiração muito grande pelos santos católicos. Sou devoto de São Jorge Guerreiro, que representa Oxóssi. Ele, assim como Iemanjá, está no enredo de meu orixá. Sou de Obaluaê com Oxum, mas todos esses santos estão no meu juntó (expressão usada por antigos praticantes do candomblé para se referir ao segundo orixá da pessoa) ”.

São Jorge, por estar sempre guerreando, está na frente da casa. Iemanjá, é a deusa que conquista tudo, a mãe dos orixás, a rainha das águas e desperta a admiração do pai de santo.

“Então, ela está na frente, mostrando que é mãe” – completa.

Caboclos e encantados também estão nas crenças de Gerard, que admite praticar uma mistura de umbanda e candomblé.

As esculturas de vários orixás em concreto, com dois metros de altura, estão logo após o portão de entrada, formando um corredor no espaço entre elas. Ao centro, a figura de Oxalufan.

CAMINHOS DA ARTE

As peças de Gerard têm como principais destinos Salvador, São Paulo, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Curitiba, Brasília e Recife. No exterior, os principais clientes são da Itália.

Há exemplares, em museus cariocas e baianos. Gerard lembra apenas que no Rio está no bairro do Catete.

As imagens mais procuradas são Nossa Senhora da Conceição, São Francisco e as que representam o sincretismo religioso.

“Os orixás são muito queridos, né? ”

Gerald não tem ideia de quantas peças fez. Diz apenas que foram “milhares”, levando em conta que dificilmente passa um dia sem que faça um trabalho de barro, madeira ou pintura.

Atualmente, está preparando material para exposição sobre sincretismo religioso, que acontecerá a partir do dia 4 de julho, em Recife. Até agora foram produzidas dez peças.

Apesar de ser profícuo e famoso, nunca ganhou um prêmio.

Outro detalhe é que não aceita convites para palestras e viagens. Prefere mandar um de seus discípulos – alguns deles como Elson, o acompanha há 25 anos. Parte disso ocorre por temperamento – é retraído e prefere ficar em casa -, mas o principal motivo do recolhimento é o medo de avião.

“De avião é difícil. Tenho medo de altura (solta uma risada). Não é medo de morrer, é medo de altura (continua rindo). Fui convidado para ir a Portugal, queria conhecer, mas…”

A ROTINA

O escultor de Barra acorda muito cedo. Não abre as portas antes de concluir suas orações para o Divino Espírito Santo e Nossa Senhora da Conceição, que estão em altares magníficos. Depois, faz uma caminhada, molha as plantas e começa a trabalhar. No dia da entrevista para Meus Sertões, estava finalizando uma imagem de Ogum.

Cada peça de sincretismo religioso leva cerca de 10 dias para ficar pronta. Elas são pintadas com cores naturais, extraídas do barro dos rios São Francisco e Grande. Do primeiro, é extraída a tabatinga, tinta branca, e do segundo, o tauá, de coloração amarelada que fica vermelha após ir ao forno.

Uma peça de santo/orixá leva 10 dias e custa R$ 1 mil, se comprada em Barra.

Na internet, no Mercado Livre, um de seus São Jorge está sendo vendido por R$ 2 mil.

Gerard tem muitos filhos de santos e discípulos. Ajudou na criação de 16 sobrinhos, mas não tem filhos biológicos.

Sobre seus dons artísticos e religiosos imputa a dois fatores:

“Atribuo à força e a energia dos orixás e ao meu povo que já passou por aqui”.

GALERIA DE FOTOS

Jornalista, 58 anos, traz no sangue a mistura de carioca com português. Em 1998, após trabalhar em alguns dos principais jornais, assessorias e sites do país, foi para o Ceará e descobriu um novo mundo. Há dez anos trabalha na Bahia, mas suas andanças não param. Formou comunicadores populares nas favelas do Rio e treinou jornalistas em Moçambique, na África. Conhece 14 países e quase todos os estados brasileiros. Suas reportagens ganharam prêmios de direitos humanos e de jornalismo investigativo.
follow me

2 reflexões sobre “Mãos santas”

  1. LeandroDisse…
    Replied on

    Gostaria do contato do Gerard!!!!

    1. Paulo OliveiraDisse…
      Replied on

      O que temos é o seguinte: Rua Rio Grande, s/nº, Barra. Tel: (74) 3662-3372

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *