A arte de tecer

A arte de tecer

O caroá é um tesouro. Muitas famílias tiram o sustento das fibras resistentes e duráveis dessa planta, também conhecida como carauá, caruá, caroá-verdadeiro, coroá, coroatá, crauá, croá e gravatá.

Em suas andanças pelo sertão, a médica e pesquisadora de cultura popular Helenita Monte de Hollanda conheceu Dona Josefa, 71 anos, uma das moradoras dos povoados da Olhos D’Água e Mandaçaia, de Tucano (BA), envolvidas na arte da tecelagem.

Na conversa, a tecelã contou que comprava o quilo das folhas de caroá por R$ 4 de um rapaz que as trazia de Quijingue, a 65 quilômetros de distância. Segundo Josefa, os fios da planta são lavados e colocados para secar. Depois de limpos, são laçados e acochados. Só assim podem ser utilizados.

COMUNIDADE DE JATOBAZINHO

Antes de virar fio, porém, é necessário um longo processo, explicado no vídeo “Caroá, a esperança de um povo”, que conta a história de dona Maria Lina, de Dom Inocêncio, no Piauí. Ela pertence a comunidade de Jatobazinho, de 14 famílias e 80 pessoas sem posses, que tiram da caatinga a fonte de subsistência:

“Nós veve (sic) aqui do caroá, meu irmão”, diz Maria.

Para pegar os garranchos de caroá é preciso caminhar cerca de seis quilômetros. As folhas espinhosas machucam as mãos.

“Nós chega em casa, pega a faca, escangota ele, bota dentro d’ água. Quando está com três dias ou quatro a gente vai de novo na fonte d’água, tira ele de dentro d’água, rapa uma rapa que ele tem. Quando acabar, bate e lava e estende pra modo de secar e poder fiar (sic)”, explica.

Maria Lina explica que uma rede de 10 palmos consome três quilos e meio de caroá.

“E dá trabalho, demais, demais, demais, mesmo”

No vídeo, de setembro de 2001, da AB Produções, Maria Lina e sua família diziam que as pessoas ainda reclamavam do preço de uma rede de caroá, vendida a R$ 10.

DE VOLTA A TUCANO

Além do caorá, Josefa trabalha com sisal e uma planta conhecida como “pé-de-lã”. Entre filhas e netas, ninguém quis seguir a arte de tecer.

 

Veja o vídeo feito no Piauí:

 

Leia também

Entrelaçando fios de caroá

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *