Meu pé de imbu

Meu pé de imbu

Na aridez dos dias sertânicos
Fica nu e espeta o céu
Deixa suas curvas expostas
A luz solar
Seus galhos dão vivas
Ao pino do dia
Retratando sua beleza anatômica
E não se esquece de brotar
No calor das terras
Dos mandacarus sedentos
E lentamente vai se vestido
Com as cores dos periquitos
Que precisam continuar
A voar por aqui
De repente um broto
Uma flor
Um fruto
Um alimento
Uma semente
Meu pé de imbu
Como tu
Precisa viver
Pra florescer
Nos tabuleiros
Nos campos.

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *