Os Regis de Canudos

Os Regis de Canudos

Pedro Regis disse não a duas ofertas da Universidade Estadual da Bahia (Uneb), que tenta tirar as famílias que moram no Parque de Canudos, onde foram travadas as últimas batalhas entre sertanejos e o Exército. Aos 74 anos, ele diz que só sai dali para o cemitério.

Descendente de conselheiristas, conta que o irmão de seu bisavô, José, foi morto no confronto e que sua bisavó Zefa e sua avó Maria foram presas pelos soldados e ficaram entre três e seis meses na cadeia. Todos traziam Guerra no sobrenome.

 “As mulheres tinham saído para buscar comida e, quando voltaram, o cerco a Belo Monte estava fechado. Elas foram detidas e levadas para Salvador”

Os mais antigos dos Regis viveram no arraial de Conselheiro. Após a destruição do local, eles se mudaram para a segunda Canudos, que surgiu por volta de 1910 sobre as ruínas de Belo Monte.

 “A terra era boa lá. O que se plantava dava. Não era à toa que Conselheiro falava que o rio era de leite e as ribanceiras, de cuscuz. Em 1950, quando começaram as obras da barragem de Cocorobó, viemos aqui para cima, onde não dá para plantar nada, só criar cabras e bois. Quando o nível da barragem descia, plantávamos feijão e milho no leito do rio”.

Se nutre revolta contra a Uneb, que tenta tirá-lo de lá, indenizando-o, Pedro tem mais de um motivo para querer ficar. Foi lá que ele criou os sete filhos e onde passou a infância com os 12 irmãos.

“Tenho saudade da irmandade. Quando crescemos, a maioria se mudou. Nós brincávamos de fazer casas e ruas com as pedras daqui”, recorda.

OUTRA GERAÇÃO

Paulo mostra uma foto de sua família nas ruínas de Canudos. Foto: Paulo Oliveira
Paulo mostra uma fotografia de sua família nas ruínas de Canudos

Paulo, um dos filhos de Pedro, é um dos cinco guias credenciados pela Uneb, após curso de capacitação, para levar turistas ao parque. Ele cobra R$ 140 para conduzir os visitantes por todo o espaço, que tem 1,321 hectares, e R$ 50 por um passeio rápido. A propriedade de seu pai ocupa 300 hectares do total.Além de bom conhecimento da história e geografia do local, Paulo tem uma surpresa para quem o contrata. A visita sempre termina na casa dele, onde  mostra objetos de Canudos, que encontrou ou comprou, fotos de sua família e de sertanejos e roupas de couro – a principal atração para os turistas que tiram selfies vestidos como vaqueiros.

O sonho do guia é construir um museu na própria casa. Seria uma homenagem ao bisavô João Regis, que morreu aos 99 anos, em 2002. João negociava bodes e peles e foi personagem de um documentário sobre as famílias sobreviventes de Canudos, baseado em fotos de Evandro Teixeira, que Paulo  faz questão de mostrar.

Aos 26 anos, o jovem, por enquanto, não pensa em deixar o parque:

“Está dando para viver. Todo mundo está voltando da capital (Salvador), onde o desemprego é alto”.

Apesar de ver vantagens em ficar na cidade natal, o rapaz descarta a possibilidade de constituir família.

“Como vou casar em um lugar desses?”

Sobre o futuro museu, o guia revela que tem investido em seu sonho. Ele chega a comprar peças por R$ 300. Aliás, o comércio de peças de Canudos na região é movimentado. Uma bala de canhão não deflagrada chega a custar R$ 6 mil.

Em seus planos, Paulo não quer cobrar ingressos, mas deixar os visitantes à vontade para dar colaborações. Ele acredita que os tempos de hoje não são muitos diferentes da época de Antônio Conselheiro.

Jornalista, 57 anos, traz no sangue a mistura de carioca com português. Em 1998, após trabalhar em alguns dos principais jornais, assessorias e sites do país, foi para o Ceará e descobriu um novo mundo. Há dez anos trabalha na Bahia, mas suas andanças não param. Formou comunicadores populares nas favelas do Rio e treinou jornalistas em Moçambique, na África. Conhece 14 países e quase todos os estados brasileiros. Suas reportagens ganharam prêmios de direitos humanos e de jornalismo investigativo.
follow me

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *