O sumiço dos peixes

São Francisco sem peixe | Meus Sertões

A peixaria do bairro Angary, em Juazeiro, onde está localizada a colônia de pescadores Z-60, precisa comprar 150 kg de mandi bagre, mapará, curimatá, piau e dourado no estado do Pará e na Argentina. É que os pescadores do rio São Francisco não conseguem mais abastecê-la com a quantidade de peixes necessária para venda à […]

O rei do rio

Nina era a menor das caravelas da frota de Cristóvão Colombo, o descobridor oficial da América. Ela levou três anos para ficar pronta em um estaleiro de Huelva, na Andaluzia. As caravelas levavam vantagem sobre as naus porque navegavam mais rápido, chegavam mais perto da costa e eram mais fáceis de manobrar. No entanto, com […]

O velho comandante

O comandante Aprígio Nunes navega para os 70 anos a bordo da barca Vitória Régia, no vaivém da ligação entre Juazeiro e Petrolina. Desde julho de 1970, após tentativa frustrada de ser sócio de uma plantação de café, ele está no leme da barca Vitória Régia  –  a segunda com o mesmo nome que pertence […]

“Cachaceiro e raparigueiro”

A história era para ser de João Chima, guarda-poço, primeiro morador de Caldas do Jorro. Continua sendo, mas como ele morreu, em 1978, saiu pelos olhos e pela mente da viúva Joana Maria de Jesus, 90 anos, para quem o ex-marido não passava de “cachaceiro e raparigueiro”.

Cadê os livros?

O trabalho de Luiz Santana Correia, 52 anos, tratador das piscinas do Hotel da Biliu, em Caldas do Jorro, é frenético. Ele limpa os ladrilhos ajoelhado nas bordas, varre o chão, aplica cloro. Faz tudo isso no mesmo ritmo que responde as perguntas. Quer terminar logo.

Dois dentes e quatro cordas

José Rosalvo dos Santos nasceu em Creguenhém, no município de Tucano (BA). Como toda criança sertaneja, ajudava o pai, trabalhando com ele nas feiras da região. O velho foi picado por cobras cinco vezes e ficou cego. Foi aí que, para ganhar dinheiro, José Rosalvo virou o Zé do Cavaquinho, após aprender a tocar o […]

Os Regis de Canudos

Pedro Regis disse não a duas ofertas da Universidade Estadual da Bahia (Uneb), que tenta tirar as famílias que moram no Parque de Canudos, onde foram travadas as últimas batalhas entre sertanejos e o Exército. Aos 74 anos, ele diz que só sai dali para o cemitério.

Nidinha variedades

A vida para Eronildes Ferreira de Andrade, a Nidinha, consiste em trabalhar e se dedicar à religião. Aos 85 anos, teve “uns namoros bestas, sempre de longe, nunca no portão”. A mais antiga comerciante de Uauá, na Bahia, tem saudades dos pais e das festas em sua casa. Vez por outra, pega-se em cantorias, as […]

Promessa não cumprida

Maria José Monteiro, a Marré, anda agoniada. É que ela fez uma promessa à Santo Antônio e não consegue pagá-la.

A poltrona 45

A moça chega correndo. Carrega quatro bolsas e uma mochila. Por causa dela, o ônibus do Expresso São Matheus parte depois do horário. O atraso é pequeno, três minutos, e ninguém reclama.