Categoria: Reportagem multimídia

Toada para a Fábrica Peixe

O poeta e cantador José Cosme de Lima, o Zé Galego, 67 anos, vive hoje em um abrigo para idosos, em Arcoverde (PE). No entanto, só precisa de milésimos de segundo para reencontrar o passado, que ficou na terra natal, Pesqueira, a 43 quilômetros de distância, e de dois minutos para cantar a toada que fez sobre a fábrica Peixe, motivo de orgulho para os pesqueirenses por um século.

…Ler mais.

Todos de branco

Santa Brígida, cidade do sertão baiano que tem o nome da padroeira da Europa, se desenvolveu a partir da chegada do líder messiânico Pedro Batista. Ele e Maria das Dores dos Santos, a Madrinha Dodô, ex-assistente de Padre Cícero, acreditavam que o sofrimento do corpo era o caminho para se chegar até Deus. Por isso, pregavam a necessidade de os cristãos fazerem penitências e sempre rezarem.

…Ler mais.

Romaria Pankararu


A relação entre o padrinho Pedro Batista da Silva (1888 – 1967), beato e conselheiro estabelecido em Santa Brígida (BA), a Madrinha Dodô (1902 – 1998), seguidora e herdeira espiritual de Batista, e os indígenas Pankararu se consolidou graças a Maria Bárbara Binga (1917-1993), indígena batizada pelo padre Cícero, devota dos padrinhos e criadora do grupo de penitentes da aldeia de Brejo dos Padres.

…Ler mais.

Devoção, orquídeas e relíquias em Ichu

A Fazenda Canavial, a dois quilômetros do centro de Ichu (BA), possui atrativos que a tornam difícil de ser igualada: beleza natural, uma capela histórica, orquidário e marcas de antiga usina de açúcar. Visitá-la é uma benção, principalmente em setembro, quando é hasteada a bandeira que sinaliza o início do mês de Maria. Serão 32 dias consecutivos de rezas na capela de Nossa Senhora da Conceição, incluindo as celebrações da Natividade e das Dores de Nossa Senhora.

A entrada da propriedade. Foto: Paulo Oliveira
A entrada da propriedade. Foto: Paulo Oliveira

…Ler mais.

A Lavagem – Especial Ichu

A festa dura cerca de três horas, mas mobiliza a população da cidade por quase todo ano. A pequena Ichu, encravada no semiárido baiano, a 180 km de Salvador (BA), tem sérios problemas de saneamento – só 1,2% dos domicílios têm esgotamento sanitário adequado -; poucos empregos – 6,8% da população estimada em 6.194 habitantes estão empregados; e o seu sistema de saúde precisa melhorar muito. No entanto, há 91 anos, durante o novenário do padroeiro Sagrado Coração de Jesus, a cidade realiza uma das festas mais animadas da Bahia, onde se destacam o concurso de máscaras, alegorias e carros alegóricos e o desfile de baianas.

…Ler mais.

A festa dos frutos sagrados

Os Tremembé, indígenas brasileiros cujas primeiras referências datam do século XVI, estão em festa. De hoje até o dia 12 de janeiro será realizada a X Festa do Murici e do Batiputá, na Aldeia São José, em Barra do Mundaú, em Itapipoca (CE). Durante a comemoração serão inauguradas a Oca Digital Indígena Iandê (pronome ‘nós’ em tupi-guarani) e a exposição fotográfica Iandê Á’Tã Joaju (Juntos Somos Fortes), do fotógrafo cearense Marcos Vieira, A exposição está sendo lançada simultaneamente no site Meus Sertões, na seção Galeria, na primeira página, e em clipe no canal do You Tube. Posteriormente será apresentada em Fortaleza (CE), São Paulo (SP) e Paris (França). As iniciativas fazem parte do projeto Ação Tremembé, financiado pela União Europeia.

…Ler mais.

Assentamento Maria Zilda

O assentamento Maria Zilda, a dois quilômetros do centro de Cordeiros (BA), tem esse nome para homenagear a agricultora assassinada por jagunços que atacaram o acampamento do MST, próximo à Fazenda Caldeirão, em Vitória da Conquista, em outubro de 1994. Além de Zilda, um sem-terra foi morto e seis ficaram feridos no ataque para impedir que a propriedade, identificada pelo Incra (Instituto Nacional de Reforma Agrária) como improdutiva, fosse desapropriada. A ação violenta não impediu a expropriação.

…Ler mais.