Categoria: Meus Sertões

A floração do umbuzeiro*

Sertanejas se organizam em cooperativa, reinventam-se e ganham independência e autoestima

Bem antes de os umbuzeiros centenários ganharem apelidos e começarem a botar os primeiros frutos, os homens dominavam o sertão, as árvores, os bichos e as mulheres. Só há pouco tempo, elas começaram a se libertar. Essa liberdade começou na cozinha. Foi assim na Fazenda Brandão e em outras 19 localidades das cidades de
Canudos, Uauá e Curaçá. …Ler mais.

No alto das árvores

Nem as dores e dificuldades que todo sertanejo enfrenta tiram a alegria e a disposição da agricultoraJovita, 70 anos, que carrega cruz até no nome. Desde pequena, no povoado de Maruá, em Uauá, onde vivem cerca de 50 famílias, ela aprendeu a subir nos galhos mais altos dos umbuzeiros, mesmo que eles furassem seus braços, para pegar os melhores frutos. É dos umbus que ela sempre extraiu alimento e parte da renda para criar cinco filhos  –  um deles adotivo  –  e comprar os remédios para o marido esquizofrênico e incapacitado há 30 anos. …Ler mais.

Trilhos da história

A estação de Queimadas, na Bahia, é importante monumento histórico. Foi nela que os soldados do Exército desembarcaram para combater Antônio Conselheiro e seus seguidores. Aberta em 1886, dez anos antes do desembarque da primeira tropa, a estação era o ponto mais próximo de Canudos, que ficava a cerca de 200 km de distância. Fazia parte da Estrada de Ferro Bahia, que ligava a estação de São Francisco, em Alagoinhas, ao rio São Francisco, em Juazeiro, em percurso de cerca de 440 km. Os trens levavam as riquezas minerais da região. …Ler mais.

O sumiço dos peixes

A peixaria do bairro Angary, em Juazeiro, onde está localizada a colônia de pescadores Z-60, precisa comprar 150 kg de mandi bagre, mapará, curimatá, piau e dourado no estado do Pará e na Argentina. É que os pescadores do rio São Francisco não conseguem mais abastecê-la com a quantidade de peixes necessária para venda à população e aos mercados.

…Ler mais.

O rei do rio

Nina era a menor das caravelas da frota de Cristóvão Colombo, o descobridor oficial da América. Ela levou três anos para ficar pronta em um estaleiro de Huelva, na Andaluzia. As caravelas levavam vantagem sobre as naus porque navegavam mais rápido, chegavam mais perto da costa e eram mais fáceis de manobrar. No entanto, com o naufrágio da Santa Maria, Nina, que tinha este nome por causa do proprietário, Juan Niño, virou a nau capitânia. Transportava seu capitão, Vicente Yañez Pinzón, e o comandante Colombo. …Ler mais.

O velho comandante

O comandante Aprígio Nunes navega para os 70 anos a bordo da barca Vitória Régia, no vaivém da ligação entre Juazeiro e Petrolina. Desde julho de 1970, após tentativa frustrada de ser sócio de uma plantação de café, ele está no leme da barca Vitória Régia  –  a segunda com o mesmo nome que pertence a sua família. …Ler mais.

Dois dentes e quatro cordas

José Rosalvo dos Santos nasceu em Creguenhém, no município de Tucano (BA). Como toda criança sertaneja, ajudava o pai, trabalhando com ele nas feiras da região. O velho foi picado por cobras cinco vezes e ficou cego. Foi aí que, para ganhar dinheiro, José Rosalvo virou o Zé do Cavaquinho, após aprender a tocar o instrumento com um copo, uma garrafa, os pés e a especialidade que o transformou na maior celebridade da região: os dentes. …Ler mais.