Juazeiro do Padim

Juazeiro do Padim

O fotógrafo paraibano Severino Silva, 60 anos, desenvolve trabalho no semiárido, fazendo experiências com luzes e sombras. Em suas andanças, retrata a religiosidade e a cultura nordestina.

Depois de passar por cidades de Sergipe, Bahia e Pernambuco, Severino foi a Juazeiro do Norte (CE), no início de maio, mês em que são realizadas procissões diárias.

Lá, encontrou dona Maria das Dores, que disse ter ajudado a carregar pedras para construção da igreja de São Francisco quando era muito jovem.

Graças à intercessão do santo, conta,  superou um problema de saúde e passou a frequentar de bata marrom as missas das seis horas da manhã, todos os dias, no templo que ajudou a construir. À noite, vai de branco nas cerimônias na Igreja Matriz de Nossa Senhora das Dores.

Uma tradição chamou à atenção: parentes e amigos levam os caixões dos mortos à estátua de Padre Cícero. Eles param, rezam pela alma do falecido e pedem ao Padim Cícero para que interceda pela alma do falecido. E seguem para o cemitério.

Neste contexto, Severino Silva produziu o ensaio que está publicado na seção Galeria, na primeira página de Meus Sertões. Apreciem este trabalho!

Galeria - Primeira Página

Severino Silva Contributor
,
Paraibano, foi morar no Rio de Janeiro ainda criança. Aprendeu a fotografar no jornal O Globo, onde foi contínuo. Passou por cinco redações e é considerado um dos três melhores fotógrafos do Brasil na cobertura de conflitos urbanos. Ganhou vários prêmio nacionais de fotografia.

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *