Todos de branco

Todos de branco

Santa Brígida, cidade do sertão baiano que tem o nome da padroeira da Europa, se desenvolveu a partir da chegada do líder messiânico Pedro Batista. Ele e Maria das Dores dos Santos, a Madrinha Dodô, ex-assistente de Padre Cícero, acreditavam que o sofrimento do corpo era o caminho para se chegar até Deus. Por isso, pregavam a necessidade de os cristãos fazerem penitências e sempre rezarem.

Embora o número de romeiros diminua a cada ano, seguidores dos beatos se orgulham de manter as tradições locais como a Caminhada de Branco, procissão que percorre os cemitérios da cidade, na madrugada do Sábado de Aleluia, e retorna à Igreja de São Pedro para rezarem o Ofício de Nossa Senhora.

“A tradição está caindo, mas a gente ainda segura. As portas da igreja estão abertas e a gente canta aleluia”, diz Zezito Apóstolo da Silva, 84 anos, um dos homens de confiança da Madrinha Dodô (1902-1998).

É ele que dá início ao cortejo, entregando a cruz que vai à frente da procissão a Lázaro Josias Silva Ribeiro, 15 anos, neto de romeira. O jovem guia o cortejo pelo segundo ano consecutivo. Ele sai acompanhado por 75 pessoas, mas o grupo receberá adesões no caminho até os cemitérios São Pedro, onde Dodô e Padrinho estão sepultados, e o municipal.

Os fiéis seguem na caminhada vestidos de brancos. A maioria está descalça. Mulheres e crianças vão na frente. Os homens, na parte de trás. No primeiro cemitério, alguns avisam que há espinhos entre as sepulturas que estão fora do caminho do cruzeiro. A caminhada continua sem maiores incidentes.

Depois de passarem pelo cemitério municipal, na entrada da cidade e sem iluminação, os romeiros retornam à igreja de São Pedro, onde Zezito aguarda diante da imagem do Senhor Morto, cercado por bancos da igreja. É a representação da espera pela ressureição de Jesus Cristo.

Enquanto as beatas rezam, parte dos homens entra na igreja para tirar os panos roxos que cobrem as imagens dos santos. O coroinha da Igreja Matriz, Weverton José Evaristo Bezerra, 16 anos, é um deles. Ele conta que a programação da Semana Santa é feita no templo de Santa Brígida e no de São Pedro, construído por Pedro Batista.

“Acredito em Pedro e na Madrinha, que foram pessoas inspiradas por Deus, e pregaram a fé, a caridade e o amor” – diz o jovem.

Lá fora, Zezito, um dos guardiões da tradição messiânica, carrega a imagem de Nossa Senhora e a aproxima da estátua do Senhor Morto, que é colocado de pé por fiéis. E ressalta que Cristo venceu a morte.

Jornalista, 56 anos, traz no sangue a mistura de carioca com português. Em 1998, após trabalhar em alguns dos principais jornais, assessorias e sites do país, foi para o Ceará e descobriu um novo mundo. Há dez anos trabalha na Bahia, mas suas andanças não param. Formou comunicadores populares nas favelas do Rio e treinou jornalistas em Moçambique, na África. Conhece 14 países e quase todos os estados brasileiros. Suas reportagens ganharam prêmios de direitos humanos e de jornalismo investigativo.
follow me

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *