Nando do maracatu

Nando do maracatu

A concentração de artista escultores em Tracunhaém, Mata Norte pernambucana, é surpreendente. Nomes de expressões nacional e internacional ali tiveram berço de modo que o nosso canal em sua busca incansável pelo que de mais puro e original nasce ou remanesce em nossa Cultura não poderia deixar de explorar.


Alguns ocupam um centro coletivo onde compartilham espaços de trabalho e fornos e onde também parte da produção local é exposta e vendida.

Numa amostra da grandeza de trabalhos maravilhosos, três expoentes foram os nossos entrevistados e serão apresentados um a um em domingos intercalados com outros temas aos quais nos dedicamos.

Vocacionado a transmissão da Cultura Popular, Nando Garcia faz da sua arte – criativa, original e bela – um compêndio do Folclore Brasileiro e, principalmente, pernambucano. Em seu atelier apreciamos cada peça como se folheássemos páginas sobre lendas, personagens e folguedos que ganhassem animação ao seu toque habilidoso a tirar de montes de barro o que, como dizia Michelangelo, não deveria estar ali.

E é assim que ele dialoga com a matéria bruta – deixa que lhe fale e como que lhe dite o destino. De menino a guiar turistas no centro de Recife ensinando os encantos de maracatus e reisados ao jovem que esculpe detalhes de personagens e representações, reconhecemos plenamente a essência do seu comprometimento com a nossa Cultura.

Mas deixemos com a palavra aquele que a sabe dizer. Ao nosso canal a alegria do encontro com o artista cuja fama certamente ganhará o mundo!

Contato do escultor Nando Garcia: 81 9 9255-5561

Nasceu e cresceu numa típica família brasileira. Potiguar, morando na Bahia há vinte anos, é médica de formação e pesquisadora da cultura popular. Nos últimos 10 anos abandonou a sua especialidade em cardiologia e ultrassonografia vascular para atuar como médica da família na Bahia e no Rio Grande do Norte, onde passou a recolher histórias e saberes. Nessa jornada publicou cinco livros.”. No final de 2015 passou temporada no Amazonas recolhendo saberes indígenas.
follow me

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *