Alerta máximo

Alerta máximo

As cidades de Condeúba, Piripá e Cordeiros, no sertão baiano, enfrentam a pior crise hídrica de suas histórias devido à estiagem e à drástica redução do volume de água da barragem de Champrão, construída em 1955 e responsável pelo abastecimento de cerca de 40 mil moradores. A capacidade do açude é de 5,9 milhões de metros cúbicos, mas nos dias de hoje não chega a 11% do total.

Segundo o fiscal Elias Azevedo da Silva, 51 anos, prestador de serviço da Agência Nacional de Águas (ANA) e responsável pelas medições diárias do nível de água, há 60 dias a barragem atingiu o “volume morto”. Este é o termo técnico que designa a reserva mais profunda do açude, abaixo dos canos de captação, e que não deveria ser usada por se tratar de água de má qualidade com acúmulo de sujeira e substâncias tóxicas.

“Esta é a menor profundidade em 63 anos. Nesta segunda-feira (dia 1º de outubro), as réguas de marcação mostraram que o nível está 6,81 metros abaixo da cota normal e que a profundidade média é de 19 centímetros. A cada dia, o volume diminui dois centímetros, aproximadamente” – explica Elias.

Apesar de a água estar imprópria para consumo, caminhões-pipas continuam a se abastecer no local, utilizando bombas adquiridas pelos pipeiros. Há pelo menos 26 veículos em atividade. Cada um transporta até 10.500 litros. Os motoristas recebem R$ 3 por quilômetro rodado.

Elias também controla a entrada dos caminhões a serviço do Exército. Eles retiraram 688 pipas em três meses. No entanto, de acordo como o fiscal estes veículos deixaram de se abastecer em Champrão. O Exército é o responsável pela maior parte da distribuição de água no Nordeste durante a seca.

Elias informou ainda que a Agência Nacional de Águas (ANA) notificou a Empresa Baiana de Águas e Saneamento S.A (Embasa), concessionária de água e esgoto cujo principal acionista é o governo estadual,  por ela não ter apresentado plano de contingência para evitar o colapso do abastecimento.

O Departamento Nacional de Obras Contra a Seca (DNOCS) poderia ter aproveitado o momento para consertar registros rompidos e conter os vazamentos na linha de distribuição. No entanto, alegou não dispor de verbas.

Medo de beber água

Elias diz que sua família – dois netos e a mulher que fez transplante de rim – não consome água da barragem há meses. A alternativa é a cisterna de consumo, abastecida com água da chuva, que ganhou de um programa de convivência com a seca. Este ano, choveu 36 milímetros na região, segundo ele.

O professor e integrante do Conselho Municipal de Educação de Condeúba, Agnério Evangelista, 72 anos, é outra voz crítica com relação à Embasa. Ele diz que a ganância fez a concessionária construir adutoras para Piripá e Cordeiros e não tomar providências para mitigar a crise hídrica.

Agnério conta que a população sugeriu racionamento de água em uma reunião com representantes do DNOCs, da ANA, da Embasa e do Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), mas não foi atendida

A falta de fiscalização sobre o consumo, a princípio sob a responsabilidade do Departamento Nacional de Obras Contra a Seca (DNOCS), é outro fator de agravamento da situação. Há anos, não há funcionários do departamento em Condeúba. O escritório mais próximo está a 200 quilômetros. Diante disso, este ano, o órgão vinculado ao Ministério da Integração Nacional, repassou para a prefeitura a função de fiscalização, mas quase nada é feito.

Elias informa que há 98 bombas de irrigação, puxando água da barragem, mas a maioria suspendeu a atividade temporariamente.

Jornalista, 56 anos, traz no sangue a mistura de carioca com português. Em 1998, após trabalhar em alguns dos principais jornais, assessorias e sites do país, foi para o Ceará e descobriu um novo mundo. Há dez anos trabalha na Bahia, mas suas andanças não param. Formou comunicadores populares nas favelas do Rio e treinou jornalistas em Moçambique, na África. Conhece 14 países e quase todos os estados brasileiros. Suas reportagens ganharam prêmios de direitos humanos e de jornalismo investigativo.
follow me

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *