Dilemas

Dilemas

SOTAQUE DE UM POVO NAS BARRANCAS DO VELHO CHICO

“Ê, Marreca Velha que dá coisa… E não é que encontrei cumpade Pedro de Zé de Mila, daí perguntei ele: Como é qui vai o bar cumpade?”

“Ô, meu irimãozim, tá ruim…”

“E o que foi, meu irimão.”

“Antigamente era um diabo dum DDD. Eles chegavam e gritava: “Pedro, me dá uma celveja”. Quando eu ia distampano, eles perguntavam: “tem DDD”? Eu dizia tem não, meu irimão. Ai eles diziam: “então quero não”

“E o senhor já comprou o DVD?”

“Comprei, fi de Deus. Mas, inventaram agora um tali dum pendaco. Diz que o trem pega mili música. Será qui tem esse tanto de música no mundo, meu cumpade?”

“Tem sim, cumpade. O pendrive do meu fi tem um balceiro de música.”

“Apois! Agora eles num quer beber mais lá, porque meu som num roda o diabo desse pendaco.”

“Tempo bom era aquele que a gente pegava uma radiola e saia farriano por debaixo dos pés de jotobá, na sombreira do cruili e na refrega fresca do juazeiro. O tira gosto era mandim frito com farinha azeda. Vez em quando um violão ou uma sanfona véia de oito baixo. Quem era bom nela era Olavo. Até isso acabou, meu irimão. O hômi agora só quer tocar teclado. Ele deixou de ser o Olavo Arrasta Povão, pra ser Olavo Safadão.”

Coisa de Xique-Xique na Bahia

–*–*–

DICIONÁRIO BEIRADEIRO

Balceiro – Grande quantidade, muito, bastante.
Cruili – Fruta da margem do rio
Jotobá – Jatobá
Merreca velha – Povoado
Olavo – Maior sanfoneiro da região

Arilson B. da Costa Contributor
Arilson Borges da Costa ,nasceu em 22 de fevereiro de 1970, em Xique-Xique – BA. Filho de sorveteiro e neto de pescador, é professor e auxiliar de serviços gerais. Estudou contabilidade na escola pública de Xique-Xique, no interior da Bahia, porém em 2008 abandonou definitivamente a área de exatas e passou a estudar letras vernáculas, na universidade pública da Bahia (UNEB), com a finalidade de aprofundar na área da lingüística e literatura. Ao longo de sua vida acompanhou pescadores às margens do rio São Francisco, no intuito de entender o sotaque do povo ribeirinho, por isso migrou seu trabalho para escrita de contos e causos do povo ribeirinho.Está continuamente produzindo contos e causos de ribeirinhos, poesia, vídeos, áudios e fotografias, a maioria deles disponibilizados em sua página do Facebook.
follow me

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *