Jejum e Judas

Jejum e Judas

No meu tempo de muderno, num tinha essa burrage não… A gente chegava nas casas e batia palma…

“Ô essa outra, me dá uma esmolinha, pra jinjuá dia de hoje.”

“Deus lhe favoreça, meu fi…”

“Eita! Diacho, esqueci a esmola  da Sexta-Feira  da Paixão… faz  a canjica, Chica… Nanu, adianta o beiju… Noca,  traz a tapioca…Buba, seu Buba, Cadê o cuscuz de puba?”

“Esse ano não teve mandoca, o pouco que deu o rio comeu.”

“Então prepara o pirão de peixe, se a farinha é pouca o meu pirão primeiro.”

“Esse ano num vai dá pra comer um surubimzim. O peixe desapareceu.”

“Inté que nós liga! Sendo peixe eu como até sabiruga…”

“Mané da jega, cuida. Prepara o di-cumer de Sábado de Aleluia, que Jorge Pacoa tá chegando…”

“Vai desculpano seu Roberto Mendes, é que nois é fraco, só tem galinha caipira com arroz. A gente é filho de pobre e come tripa,  mocotó  e fato. Come até galinha caipira com arroz.”

“E Nizaldo Costa. Ele também gosta? Essa visita me pegou de supetão…”

“Neném Parente, acende o fogo da casa de farinha…”

“Num é tempo de torrar massa não, meu parente. Aqui a gente respeita a coresma…”

“E pra beber tem o que, parente?”

“Ô! Meu parente, dia de hoje, só pode beber amargo.”

“Então bota um vinhozinho ai.”

“O vim acabou, parente. De amargo aqui tem raiz de fedegoso, carqueijo e boldo.”

“Essas raízes são mais amarga  que minha vida. Tá amarrado…”

“Por falar em amarrado. Hoje é dia de matar o Juda.”

“Eu que não quero saber de tá matano Juda. Pra depois num tá veno mali-assombro.”

Coisas de Xique-Xique na Bahia

–*–*–

DICIONÁRIO BEIRADEIRO

Burrage –  Besteira, bestagem, asneiras
Coresma – Quaresma
Jinjua – Jejuar
Mali-assombro – Assombração

Arilson B. da Costa Contributor
Arilson Borges da Costa ,nasceu em 22 de fevereiro de 1970, em Xique-Xique – BA. Filho de sorveteiro e neto de pescador, é professor e auxiliar de serviços gerais. Estudou contabilidade na escola pública de Xique-Xique, no interior da Bahia, porém em 2008 abandonou definitivamente a área de exatas e passou a estudar letras vernáculas, na universidade pública da Bahia (UNEB), com a finalidade de aprofundar na área da lingüística e literatura. Ao longo de sua vida acompanhou pescadores às margens do rio São Francisco, no intuito de entender o sotaque do povo ribeirinho, por isso migrou seu trabalho para escrita de contos e causos do povo ribeirinho.Está continuamente produzindo contos e causos de ribeirinhos, poesia, vídeos, áudios e fotografias, a maioria deles disponibilizados em sua página do Facebook.
follow me

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *