Fogões do sudoeste baiano

Fogões do sudoeste baiano

O pedreiro Ariomar Ferreira Brito, o Mazinho, aprendeu com o cunhado, a fazer os fogões a lenha que caíram no gosto da população de Água Preta, distrito de Encruzilhada, no sudoeste baiano.

Foi Dema quem primeiro conheceu as vantagens do “fogão econômico” há 20 anos e levou a novidade para sua terra natal. Ele aperfeiçoou os equipamentos até criar o modelo redondo que ocupa menos espaço na cozinha.

Mazinho apraendeu a fazer fogões com o cunhado. Foto Paulo Oliveira

Os fogões fizeram tanto sucesso, segundo Mazinho, que Dema o incentivou a fazer o equipamento, pois estava ficando sem tempo para cuidar da propriedade e dos animais que criava na localidade do Alagadiço.

“No início apanhei um pouco, estava meio perdido” – confessa o então aprendiz.

Com dez anos de experiência, Mazinho conta que em três dias constrói o equipamento com cimento, tijolos, barro, areia, terra, forno, chapa de ferro e cantoneiras. Ele ressalta que os fornos feitos com tonel precisam ser trocados a cada dois anos, se for bem cuidado. Caso contrário, eles levaram alguns meses para furar.

Fogão redondo de Genésia Ferreira, 47 anos, Foto: Paulo Oliveira

O construtor cobra R$ 350 por equipamento, sem contar o material utilizado. A vida útil do equipamento é de cerca de duas décadas.

“O segredo para a fumaça não se espalhar pela casa é abrir uma passagem de 15cmx15cm abaixo do forno que conduzirá o produto resultante da combustão para a chaminé externa”, explica.

A chaminé externa impede que a fuligem invada a casa. Foto: Paulo Oliveira

Antigamente, sem este recurso, ficar na cozinha era um suplício: a fumaça entrava pelo nariz e garganta, provocando lágrimas e ardência na garganta e nos olhos, além da fuligem deixar as paredes da casa escuras.

Mazinho admite que a passagem da fumaça tem que ser bem-feita. Se houver vazamento, o fogão terá que ser desmanchado e construído.

Hoje, praticamente, não há fogão apenas de alvenaria na comunidade. A colocação de pisos e pastilhas impedem que o cimento rache com a quentura.

O calor rachou algumas partes do fogão de dona Letícia. Foto: Paulo Oliveira

A agente de saúde Juanita Ferreira Brito, 49 anos, optou pelas pastilhas. Ela também construiu um outro forno, mais potente, onde prepara pães e biscoitos que vende na feira de Encruzilhada aos sábados.

Já Ivanda Meira Barros, também agente de saúde de Catingal, no município de Manoel Vitorino (BA), a 213 km de Encruzilhada, ressalta o fato que é possível cozinhar, assar e esquentar água – há um compartimento específico para isto – ao mesmo tempo no fogão, economizando lenha.

Compartimento para esquentar água ao fundo. Foto: Paulo Oliveira

Foi a “tucuruba”, buraco aberto no chão pelos indígenas, protegido por pedras, que deu origem a este tipo de fogão.

Jornalista, 57 anos, traz no sangue a mistura de carioca com português. Em 1998, após trabalhar em alguns dos principais jornais, assessorias e sites do país, foi para o Ceará e descobriu um novo mundo. Há dez anos trabalha na Bahia, mas suas andanças não param. Formou comunicadores populares nas favelas do Rio e treinou jornalistas em Moçambique, na África. Conhece 14 países e quase todos os estados brasileiros. Suas reportagens ganharam prêmios de direitos humanos e de jornalismo investigativo.
follow me

3 reflexões sobre “Fogões do sudoeste baiano”

  1. Arilson Borges da CostaDisse…
    Replied on

    A exposição de fogões a lenha traz uma vontade de (fugere urbem e carpe diem) . Essa sensação bucólica que todos nordestinos têm, principalmente os que vivem no sudeste do pais, aumenta ainda mais com essa exposição, foi de grande relevância. Parabéns Meus Sertões!

  2. SilvanaDisse…
    Replied on

    Oi gostaria muito de fazer um fogão desses em casa tem o passo a passo?

    1. Paulo OliveiraDisse…
      Replied on

      Nossa sugestão é que você contrate um profissional para construir o fogão. Obrigado pelo contato.

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *