Macaxeira, maní

Macaxeira, maní

 

A médica e pesquisadora de cultura popular Helenita Monte de Hollanda nos mostra esta semana como é preparada a farinha de mandioca no Nordeste e Norte do Brasil. As cenas gravadas no distrito de Guiné, em Mucugê, na Chapada Diamantina (BA), em 2011, e em São Gabriel da Cachoeira (AM), em 2015.

Na Chapada, a farinhada dura todo o ano e as mulheres têm a missão de plantar, colher e preparar a farinha.

“Agrupadas em mutirão, reunidas embaixo de frondosas árvores, encontramos as mulheres em desassombrado vozerio e risadagens sem fim. Numa alegria que não dá sossego ao trabalho. Dez, vinte e às vezes mais mulheres de todas as idades descascam, ralam, espremem e peneiram a macaxeira e a puba resultante que dará origem à farinha que sustenta o povo do interior como principal fonte de carboidrato” – conta Helenita.

A pesquisadora também nos revela como é o processo das indígenas e conta a lenda de como surgiu a macaxeira.

Nasceu e cresceu numa típica família brasileira. Potiguar, morando na Bahia há vinte anos, é médica de formação e pesquisadora da cultura popular. Nos últimos 10 anos abandonou a sua especialidade em cardiologia e ultrassonografia vascular para atuar como médica da família na Bahia e no Rio Grande do Norte, onde passou a recolher histórias e saberes. Nessa jornada publicou cinco livros.”. No final de 2015 passou temporada no Amazonas recolhendo saberes indígenas.

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *