Corpo fechado

Corpo fechado

A busca pelo que remanesce de popular, principalmente no que se refere à religiosidade, tem feito de mim uma garimpeira. Tentada a dizer “viajante” não o direi pois está tudo posto na Cultura, mais ou menos diluído, é fato, mais ou menos latente. É preciso olhar e ouvir. E aí saio eu com bateia e peneira juntando em preciosa coleção os saberes do nosso povo. É alimento já preparado com feitio de partilha.

Buscar proteção contra maus e males é bem próprio dos seres vivos, mas no humano a busca por segurança e livramento se reveste de crenças magias e superstições. Objetos poderosos, sejam sacramentais católicos sejam amuletos e talismãs de confissões e crenças outras, servem aos viventes como armadura.

Assim, em diversas culturas e ao longo dos séculos, não são poucas as práticas utilizadas para promover o fechamento do corpo contra doenças e sortilégios, olhos grandes e inveja.

Palavras mágicas compõem bênçãos, folhas sagradas promovem curas, patuás protegem de mandingas permitindo ao crente um caminhar seguro pela vida fortalecido pela potência desses objetos e orações.
Está na bíblia, nos estudos antropológicos, em exemplos vivos por todo tempo e lugar
.

Em Olhos D’água, distrito do município de Tucano, na Bahia, encontrei em Dona Margarida, rezadeira afamada, oração que de peculiar me abriu para um conhecimento universal da utilização da chave do sacrário para fechamento de corpos, numa “transferência” do poder do próprio corpo de Cristo para a chave do compartimento que o encerra.

Foi ela que me contou sobre um caso acontecido na família em que não teve surra de rezador com o cordão de São Francisco que livrasse a criatura de encosto tão maléfico sendo necessária muita oração pelo padre que finalizou aquela cura fechando o corpo da infeliz com a chave do Santo Sacrário.

 

Comentários

comentários

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *