Mês: outubro 2017

Corpo fechado

A busca pelo que remanesce de popular, principalmente no que se refere à religiosidade, tem feito de mim uma garimpeira. Tentada a dizer “viajante” não o direi pois está tudo posto na Cultura, mais ou menos diluído, é fato, mais ou menos latente. É preciso olhar e ouvir. E aí saio eu com bateia e peneira juntando em preciosa coleção os saberes do nosso povo. É alimento já preparado com feitio de partilha. …Ler mais.

O inspetor de quarteirão

A figura do inspetor de quarteirão surgiu em 1827, cinco anos após a Independência do Brasil, com o objetivo de garantir a lei e a ordem. Era a primeira instância de policiamento. Os inspetores tinham autoridade para efetuar prisões em flagrante, manter a ordem pública e os bons costumes. Em 1832, tiveram suas atividades regulamentadas e passaram também a fazer investigações, dar conselhos e resolver conflitos entre vizinhos, …Ler mais.

Toma jeito aí, boi!

O trabalho é um dos temas da Cultura Popular que para mim sempre pareceu o mais difícil de estudar pela falta mesma de exemplares próximos. Encontrar na velha estrada do Cansanção o Seu Zé Luiz, considerado um dos melhores carreiros da região foi presente que peregrina merece!

Imaginar que o carro de boi tem história que se perde no tempo e remonta pelo menos 5 mil anos a partir de quando estudos o situam entre os fenícios, egípcios, babilônios e em meio ao povo hebreu é um susto quando consideramos a evolução tecnológica vinda com os tempos. Mas lá estava ele gemendo, rangendo, levantando poeira mansa, tocado pela voz mais amiga que ameaçadora do moço Zé Luiz.

Pedi licença para subir no carro para não apenas registrar mas viver a experiência nada fácil. Que força! Três parelhas de bois em sintonia e sincronia numa orquestração perfeita dada pela voz e pela longa vara apenas norteadora e que não machuca o animal, mas o conduz.

Eia! Toma jeito aí, boi!

Safira e Bento

MEMÓRIA TEM CHEIRO

Priscila Godinho Martins dos Santos *

Cheiro daquele lugarzinho, cujo nome é de um santo, o santo casamenteiro: Santo Antônio, povoado de Campo Formoso. A princípio sente-se o cheiro da areia que pairava sobre a porta da humilde casa. O solo do povoado era arenoso. Ao adentrar a casa, sentimos o cheiro das velas acesas no primeiro quarto, nele avistamos duas camas de solteiro, uma era especial, a favorita da “netaiada”. Era uma cama com molas, cujo colchão foi confeccionado pela proprietária da casa, que o encheu de lã do fruto da barriguda, na minha cabeça tratava-se das mesmas galhas com que fazia as vassouras para varrer o terreiro. …Ler mais.

Pedra Branca, o vinho do sertão

Os pais de Dalva tiveram muitos filhos. Dez para ser preciso. Os tios dela não tiveram nenhum. Por isso, quando completou seis anos a menina foi visitar seu Juventino Andrade Souza e dona Urânia Luzia. Saiu de Jaguaquara (BA) e percorreu os cerca de 170 km que separam a cidade onde nasceu do povoado de Pedra Branca, que no século XVIII foi aldeamento de índios kiriris (ou cariris) e deu origem ao município de Santa Teresinha (BA). …Ler mais.

Rivalidade

Um dos mais longevos clássicos do futebol do interior nordestino é disputado há quase 70 anos em Rodelas, na região norte da Bahia, a 550 km de Salvador. No dia 7 de setembro, e apenas naquele dia, os times do Verde e do Amarelo entram em campo para alimentar uma rivalidade iniciada em meados dos anos 50. E a cidade se divide entre torcedores das duas cores. Ou torce pelo Verde ou pelo Amarelo. Não existe meio-termo – a não ser que se tenha chegado muito recentemente e ainda não tenha tido tempo para posicionar-se. …Ler mais.

Sempre vivas

Entre os diamantes que encontrei durante o meu período garimpando na Chapada, Seu Moreno foi um dos de maior quilate. Primeiro como paciente e depois como amigo, fomos desdobrando o nosso tempo em conversas e passeios no paraíso de Tapiacanga, em Mucugê, regado a delicioso café colhido ali mesmo no quintal e pilado pelos braços ainda fortes daquele com quem me dei a conversas que ficaram na batéia do meu coração até hoje.

Filho de família tão típica do lugar, viveu do que pode: café, garimpo, coleta de sempre vivas, arroz… E é nesse trânsito familiar e pessoal que ele nos conta a história da região diamantina com as suas riquezas e dificuldades.

Da lembrança da sua casa ainda me vem o cheiro dos biscoitinhos de polvilho feitos pela neta e servidos com tanta generosidade e asseio que me sentia ali visita importante.