As parteiras de Queimadas

As parteiras de Queimadas

Sinforosa Lírio de Souza trouxe ao mundo, mais precisamente à Bahia, 4.279 crianças desde que se lançou ao ofício de parteira, aos 45 anos de idade. O número de crianças que aparou equivale a 17% da população atual de Queimadas, sua cidade natal, localizada a 328 km de Salvador. Graças a esta façanha, Sinforosa deu nome a um largo, uma praça e ao posto de saúde da sede do município. Ao morrer, aos 80 anos, deixou a filha Raimunda, que já seguia seus passos, fazendo partos. Depois, a sucessora teve a mesma trajetória na política, elegendo-se vereadora. A diferença entre as duas é que a filha nunca fez a contagem de quantas pessoas ajudou a nascer.

A carreira de Sinforosa começou em 1933, quando a parteira Joana morreu e sua comadre Maria não tinha com quem se socorrer. As primeiras cinco crianças que “pegou” foi escondido do marido. Foi o médico Benjamim Sampaio de Mendonça, que viera de Itiúba para atender na cidade, que a chamou para trabalhar como “enfermeira”. Viúva, com 9 de seus 14 filhos vivos, ela resistiu. A insistência de Mendonça dobrou-lhe. E Sinforosa ganhou um livro sobre parto, comprado em Salvador, para aperfeiçoar-se.

 “Ela olhava uma barriga e sabia se a criança vinha de cabeça, de nádegas…  Mandavam chamá-la em Santa Luz, Itiúba e Juazeiro. Para aqueles que precisavam, ela levava fraldas. Além disso, aplicava injeção como ninguém” – , conta Raimunda.

Ao ser derrubada e pisada por um boi, quando ia para a missa, Sinforosa começou a definhar. Aos poucos, a filha foi ocupando seu lugar.

“Era um ofício que eu detestava. Peguei o primeiro quando eu tinha 33 anos. Depois, passei a adorar fazer partos. Havia época em que eu ficava doida para fazer um. Cheguei a fazer cinco em uma só noite”.

Em toda a sua trajetória, ela nunca perdeu uma criança, mas três mulheres morreram de complicação pós-parto. Raimunda ressalta que todas tiveram assistência médica.

“Uma tinha problema no pulmão. A outra teve parada cardíaca horas depois de parir. A terceira, eu não sei o que houve.”

A casa da família Lírio, no centro de Queimadas, ficava ao lado de um imóvel que foi transformado em uma espécie de maternidade, com a ajuda da igreja. Com o passar do tempo, Raimunda soube que, por não ter diploma, seu ambulatório, tachado como clandestino, seria fechado. Foi aí que resolveu fechar o local e parar de ser aparadeira.

“Se aparecessem dez médicos, se fizessem uma junta médica, eu fazia um parto sozinha na frente deles para mostrar que sabia. Mas, como queriam fechar, resolvi fechar antes deles. Um dia, quando parei, o pessoal da igreja me fez uma visita. Falaram que eu estava diferente. E eu respondi que minha missão tinha sido interrompida”

Raimunda passou a cuidar de idosos na própria casa. Se antes ajudava as pessoas a entrar na vida, passou a acompanhá-las na travessia para a morte. Quatro delas morreram em seus braços.

“MÃE RAIMUNDA”

Hoje, aos 80 anos, solteira e sofrendo de catarata no olho esquerdo, “mãe” Raimunda vive e cuida de uma idosa diabética. Também cria 20 gatos e 1 cachorro. Ela se define como uma pessoa alegre, que gosta de dançar e brincar com os jovens.

Gosta de beber qualquer coisa, incluindo cachaça e vodca. Se fosse possível, gostaria de voltar a ter 50 anos.

Toda alegria, no entanto, vai embora ao lembrar do assassinato de seu filho de criação.

“Criei um menino e, aos 31 anos, tiraram a vida dele. Diziam que ele era errado. Mataram ele em uma blitz. E eu entreguei tudo na mão de Deus. Se não fosse isto, o senhor não me achava triste. Adoro a vida”, diz.

E chora.

Brasil tem 190 Sinforosas

Jornalista, 57 anos, traz no sangue a mistura de carioca com português. Em 1998, após trabalhar em alguns dos principais jornais, assessorias e sites do país, foi para o Ceará e descobriu um novo mundo. Há dez anos trabalha na Bahia, mas suas andanças não param. Formou comunicadores populares nas favelas do Rio e treinou jornalistas em Moçambique, na África. Conhece 14 países e quase todos os estados brasileiros. Suas reportagens ganharam prêmios de direitos humanos e de jornalismo investigativo.
follow me

2 reflexões sobre “As parteiras de Queimadas”

  1. Edileusa Santos de AraujoDisse…
    Replied on

    Queria encontra minha família á nossa avó chamava siforosa

    1. Paulo OliveiraDisse…
      Replied on

      Ela era de Queimadas?

Deixe um comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *